14.6.10

 

De olhos fechados continua a ouvir o tic-tac do relógio. Não quer abrir os olhos para ver as horas, mas, ao mesmo tempo, o coração começa a bater mais forte. ”Já passou mais uma hora e não consigo dormir… amanhã tenho de acordar cedo e já só tenho quatro horas para dormir”. Assim continuam os pensamentos a rolar numa cabeça demasiado ansiosa para relaxar. ”Que raiva! O que me está a acontecer?! Porque não consigo dormir?!. Há dias que não durmo, estou tão cansada!”. De repente rolam umas lágrimas de inquietude e sofrimento… Trinta minutos mais tarde, depois de uma mente esgotada, o organismo ressente-se e acaba por adormecer.

 

Triiiiiiiimmmmm!!!!

Abre os olhos arregalados, com o coração aos saltos! Assustada, ainda desorientada, pergunta-se onde está. Um minuto mais tarde começa a perceber que está na sua cama e que está a acordar de um sono de três horas. Mais um dia, menos uma noite tranquila. Fatigada, levanta-se. Sente-se inquieta. Prepara-se para o trabalho sem vontade nenhuma, mal se arranja, mal toma o pequeno-almoço. Sai para a rua. O coração continua apertado. ”O que se passa comigo? Porque estou assim tão ansiosa?”. Evita o contacto ocular com os de mais transeuntes. Entra no metro, que provação! Começa a sentir as mãos a suar, sente-se incomodada, só quer sair dali. Irrita-se. Tem o rosto marcado por um olhar de ódio.

Finalmente chega ao trabalho. Senta-se na sua secretária, esboça um sorriso amarelo aos colegas e começa a arranjar a secretária. “Esta papelada vem para aqui, estes documentos são para arquivar…”. Controla todos os pormenores da sua mesa, sabe que tem controlo sobre o trabalho, por momentos sente o coração sossegado, tranquiliza-se e perde-se neste mundo. Não ouve nada ao seu redor, perde todas as interacções entre os colegas e todas as que a ela se dirigem. De repente ouve a chefe chamar o seu nome. Estremece. De novo palpitações, toda ela em alerta.

- Ana, venha ao meu gabinete. Silenciosa, caminha como se percorresse o corredor da morte.

- Diga.

- Ana, acho que tem feito um bom trabalho até agora, mas estou preocupada consigo. Parece-me pálida, tem estado alheada, isolada. O que se passa?

- Nada, chefe. Está tudo bem.

Sente uma vontade de chorar. Por mais que quisesse explicar o que se passa, nem ela própria o sabe. Só sabe que está sempre preocupada, em alerta, não consegue dormir, e facilmente se irrita, pelo que prefere estar sozinha.

 

De novo em casa, dói-lhe o peito, sente uns apertos no coração. Começa a sentir medo de ficar assim para sempre, medo de ter um ataque cardíaco, de perder o controlo da sua vida, de não conseguir atingir o que sempre quis, de não ter carreira, de ficar só no mundo, de nada lhe restar… Estes anseios manifestam-se na sua mente a uma velocidade estonteante. No entanto as horas passam e apesar de esgotada, os olhos teimam em não cerrar. Esbugalhados, fixam mais uma madrugada. Desespera mais uma vez, angustiada. Na sua cabeça surge uma necessidade: “Não aguento mais isto, não pode ser assim para sempre. Preciso de respirar, de dormir, de viver.” Entre lágrimas desabafa: “Preciso de ajuda.”

 

Cecília Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 22:05  Comentar

8.9.09


 


“Que sensação é esta de opressão no meu peito? Esta tensão? Este vazio no estômago? Esta inquietação? Esta preocupação que estou a sentir? De onde vêm estas dores de cabeça? As mãos estão molhadas… Falta-me o ar.”

 

Está a sofrer de ansiedade. A ansiedade acontece porque as emoções e os pensamentos estão constantemente e permanentemente ligados ao corpo físico. A ansiedade é uma resposta natural do organismo, um sinal de alerta que indica a necessidade de estar atento e vigilante perante uma potencial ameaça, real ou imaginária. Mas, é este estado de alerta que nos faz agir! É isto que nos impulsiona num mundo que por vezes desconhecemos e que nos foge ao controlo! É assim que somos capazes de enfrentar os desafios que a vida nos apresenta.

 

Assim, este estado de ansiedade pode ser considerado normal quando é temporário, de intensidade reduzida e circunscrito a situações novas e inesperadas. Pode, no entanto, prolongar-se no tempo e aumentar de intensidade causando grande desconforto e, inclusive, sofrimento. As preocupações constantes, excessivas e de difícil domínio, podem afectar seriamente a nossa vida. A ansiedade quando é incapacitante condiciona e altera drasticamente o nosso estilo de vida, podendo afectar gravemente a nossa saúde. As preocupações tornam-se o centro da nossa vida e ocupam, pouco a pouco, todo o pensamento.

 

 “Não consigo dormir! Não sinto fome! Não me sinto bem! Não sei o que sinto! Não consigo modificar os pensamentos! E este aperto que não desaparece?! Mas, vou seguir em frente mesmo sem saber o que me reserva o futuro. Vou continuar a caminhar, passo-a-passo, e vou começar por partilhar este aperto no meu peito!”

 

Ana T

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:08  Comentar


Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Arquivo
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Entendi a exposição, conforme foi abordada mas, cr...
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: