15.12.17

Saint-James-Compostela - Nuno Lopes.jpg

Foto: Saint-James-Compostela - Nuno Lopes

 

Levantas-te para mais uma manhã sabendo que lá fora o sol ainda não brilha. Sabes que vai estar frio, muito frio. Assim como o chão que tocas, quando mal assentas os teus massacrados pés. Piso que apenas conheces do dia de ontem, assim como o beliche onde dormiste e, provavelmente, os teus companheiros de quarto dessa noite. Tornam-se rotina todos os passos seguintes de preparação. Arruma-se o saco cama, refaz-se a mochila, veste-se a preceito para o clima e, muitas vezes com custo, calçam-se as botas do dia anterior. E dos dias anteriores a esse.

Sais para um desconhecido planeado, com metas programadas, mas onde o fortuito te alcança sempre. Nunca sabes como vai verdadeiramente correr a etapa. Come-se qualquer coisa, entre as coisas que estão disponíveis no local da partida. Curioso como a fome fica diferente. Assim como as sensações de temperatura. E de dor.

 

Primeiro passo, e mais um passo, e mais um, e outro, e outro... Cada passo é importante, mas na verdade não são o que verdadeiramente conta. São os passos que te transportam o corpo, mas é a mente que transporta o resto. Para milhares que fazem o caminho esse resto pode ser a fé, a espiritualidade, o agradecimento, ou a homenagem. Não importa.

Cruzas bosques, mato, estradas, aldeias. Pessoas e animais. Como disse um companheiro de viagem: “subir custa, mas descer dói”. O caminho implica dor. Implica sofrimento. No corpo e/ou no pensamento. Vês-te subitamente numa dupla viagem. As tuas pernas caminham, mas por vezes a mente voa.

Os quilómetros passam, ou não passam, assim como o tempo. Parece que a natureza certa das coisas decide brincar com a tua perceção. Um passo, e mais um passo, e mais um, e outro e outro. Um dia e mais um dia, e outro e outro...

Até que chegas. Até que percebes que cumpriste. Até que percebes que resististe. E a partir daí percebes que algo te invade. Não importa o motivo que te levou ao primeiro passo. Quando chegas a Santiago de Compostela o que te invade é um mistério.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
19
20
21
23

24
26
27
28
30

31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Entendi a exposição, conforme foi abordada mas, cr...
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: