7.12.09


 


Logo no início de Novembro todos contavam, de forma decrescente, a chegada do Natal e ela, sem saber, começava, de uma forma crescente, a contar o início do fim. Nenhum Natal poderá apagar, ou fazer esquecer, as feridas que se abriram no seu coração e que esconde na sua alma.

Estranhamente, não havia qualquer alusão ao Natal que se aproximava; a ausência por completo de ornamentações augurava um mau presságio. Era uma casa que se esmerava por requintadamente anunciar a chegada do Natal, com a sua colossal árvore decorada com Pais Natal de peluche, anjos, bonecos de neve, peúgas e peuguinhas, o presépio e as velas típicas da época. Nesse ano havia apenas o silêncio a enfeitar cada corredor e a rechear sítios que, em anos anteriores, eram preenchidos com arranjos vermelhos, verdes e dourados.

Sair à rua e ver as luzes, as montras decoradas, prendas para uns, presentes para outros, prioridades absolutas na vida de muitos, ouvir o Jingle Bells que ecoava por todo o lado, feria violentamente o seu espírito.

 

Foi-se aproximando o Natal e com ele a preparação, para que nada faltasse no momento prenunciado e previsto. Na última noite preparou o desfecho, indo de loja em loja comprar os seus últimos presentes… aqueles que lhe tinham sido antecipadamente pedidos: a camisa de noite quentinha, o robe, não esquecer os seus amigos de todos os momentos, os carapins, a manta para se aquecer e assim poder fingir um estado de um sono perpétuo e repousante.

Sem saber como, sorria, agradecia os simpáticos embrulhos que faziam, afinal era Natal…

 

No dia 24 desembrulhou prenda a prenda, peça a peça e foi-lhe descrevendo as cores, os modelos, os locais onde as tinha adquirido… Quando terminou, mesmo sabendo que já não era ouvida, disse-lhe: “- Estás linda! Sempre consegui dar-te mais estas prendas de Natal.”.

No dia 25 via-se por todas as ruas, papel de embrulho rasgado, fitas a esvoaçar com o vento, a levantar voo. As crianças brincavam e deliciavam-se, com os seus desejos satisfeitos, com a generosidade do Pai Natal. Pequenos aglomerados de pessoas reuniam-se à porta de alguém para iniciarem os festejos próprios da época. Naquele Natal não teve almoço… apenas um rasgão na sua alma que a impediu de, durante muitos anos, entender o significado e a importância do Natal.

Naquele Natal despediu-se, disse adeus, a uma das pessoas que mais amou… Naquele Natal enterrou o corpo daquela que lhe deu vida e a ensinou a amar. Naquele Natal disse-lhe, pela última vez na sua presença: “- Amo-te mamã.”.

Ainda hoje as luzes de Natal a agridem, a mania das prendas enlouquece-a, os falsos votos manifestados numa solidariedade fictícia enraivecem-na.

 

Mas dois “duendes” fizeram magia com o seu coração e com a sua alma. Para ela, o Natal é agora o sorriso e a euforia daqueles a quem deu vida. Espera que eles nunca deixem de dizer-lhe: “- Amo-te mamã, feliz Natal para ti.”, com um brilho nos olhos.

 

Susana Cabral

 
Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 23:14  Comentar

De Susana Cabral a 8 de Dezembro de 2009 às 22:26
Olá Alberto

Infelizmente a recuperação não foi total, deixou cicatrizes...que de fez em quando ainda "ardem".
Acredite que não só aproveito mas também agradeço as dadivas divinas que Deus me deu. Pouco a pouco o peso do prato da balança, do lado positivo, vai crescendo.
Obrigada pelas suas amáveis palavras.

Um Natal Feliz

De Susana Cabral a 8 de Dezembro de 2009 às 22:15
Olá Alexandre


Obrigada pela tua prenda de Natal, uma caixinha forrada com veludo azul e uma fita dourada, em forma de um comentário cheio de carinho.


Beijos grandes e barulhentos

De alberto pinto a 8 de Dezembro de 2009 às 21:57
Ainda bem que conseguiu recuperar.
Aproveite essa dádiva divina e trate bem de si e dos seus, para que o balanço dos Natais vindouros, seja sempre positivo.
Quanto às fatalidades da vida, não as podemos dominar e são de facto ( como se depreende de outos textos seus) cores mais escuras de uma paleta, da paleta de cada um de nós... Há que continuar|

De Alexandre a 8 de Dezembro de 2009 às 21:50
Gosto de pensar que depois de pensar que depois de passarmos por esta vida deixamos uma marca neste mundo, por mais pequena que ela seja.
Qualquer pai ficaria contente por saber que a marca que deixou cá é uma pessoa faz toda a diferença em tudo o que faça, e que é impossivel de esquecer.

De Susana Cabral a 8 de Dezembro de 2009 às 18:10
Obrigada Jac pelas tuas doces, doces palavras!
És "culpada" pelo primeiro e verdadeiro sorriso deste Natal e é por isso que continua e continuará haver Natais. Pelos verdadeiros sentimentos que vivemos, damos e recebemos...mesmo daqueles que jamais regressaram.

Um aperto de braços com carradas de miminhos.

De Jac a 8 de Dezembro de 2009 às 16:03
Tenho "mil razões" para gostar do que escreveste..." O que é belo não morre: transforma-se noutra beleza." -
Balley Ardrich -
A voz daquela que te deu a vida calou-se, mas o seu coração continua a falar-te através dos seus ensinamentos, dos valores que te incutiu e daquilo que és e transmites, hoje, aos teus "duendes"...
Um beijinho na tua doce alma

De Susana Cabral a 8 de Dezembro de 2009 às 15:57
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<BR class=incorrect name="incorrect" <a>Ola</A> Liliana <BR>De facto o Natal consegue ter o "poder" ou o dom de tornar tudo maior, mais doloroso... ou melhor e mais alegre. <BR>Sem que se consiga explicar bem porque, passar um situação difícil e dolorosa nesta época , faz com que essas mesmas situações tomem proporções diferentes. Que nos trás incertezas, que nos faz sentir mais só... ficamos sem duvida mais vulneráveis <BR>Dou graças a Deus a existência de duendes ", "diabretes" ou simplesmente crianças que felizmente conseguem, apesar de tudo, ter um poder e um dom superior ao do Natal . <BR><BR>Beijos e queijos <BR>

De Liliana a 8 de Dezembro de 2009 às 15:20
De facto nem sempre o Natal é uma época festiva para todos, onde supostamente se celebra com os mais queridos a união e alegria tão típicas.
Por vezes há acontecimentos inevitáveis na nossa vida que nos tiram o chão e que nos fazem esquecer ou até passar a menosprezar esta época que nos faz tão bem à alma.
Que toda a gente tenha pequenos "duendes" para alegrar e dar sentido à vida quando esta nos tira a esperança.

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
16
17
19

21
23
26

28
30


Arquivo
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Entendi a exposição, conforme foi abordada mas, cr...
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: