De Augusto Küttner de Magalhães a 16 de Julho de 2009 às 23:00
Não estou certo, mas pareceu-me que a Sua análise ao basear-se muito em Descartes, foge – não intencionalmente – à emoção, ou seja fica-se pela razão que é e bem elaborada pelo cérebro, mas deixa talvez escapar a emoção, que está “também” no nosso cérebo, que está lá localizada, tanto como a razão, em áreas bem distintas.

Todos os estudos de António Damásio vão nesse sentido, e as emoções penso que terão cada vez que mais serem estudadas para além da razão e tudo “materializável” no nosso cérebro.

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres