19.1.15

MulherCorrendo.jpg

 

Num final de tarde abrasador percorria nervosamente umas ruas sujas, virava freneticamente ora para a esquerda ora para a direita, preocupada apenas em permanecer invisível.

Apesar do tempo, vestia um casaco de manga comprida, tinha o capuz enfiado na cabeça, até aos olhos, as calças eram enormes e espessas, e nos pés, uns sapatos que espelhavam os milhares de quilómetros que tinham percorrido. Sentia-me a sufocar com tanto calor, escorria-me o suor pelas costas criando uma sensação de alfinetadas, à medida que me mexia, onde a fazenda roçava. Tinha a perfeita consciência que não poderia expor-me e olhava de soslaio procurando um sítio onde pudesse acalmar a sede que me queimava a boca, e repousar o corpo que começava a exibir sinais de uma rutura iminente. Mas para onde quer que olhasse sentia que havia perigo, tinha de aguentar a sede e o desconforto.

Não levantava os olhos do chão mas sentia o temor do que pudesse ver, seguia por onde me parecia possível, olhando para cada pedra e para cada pedaço de lixo como uma possível ajuda.

O meu coração batia tão depressa que o barulho estava a deixar-me surda e cada vez com menos força para seguir, seguir em frente, onde quer que isso fosse. Estava em pânico, muito perto do abismo, sem opções, encurralada, ali assim, sozinha e desamparada. O sabor a ferro na boca fez-me ganhar um pouco de força, ainda estava viva, o sangue ainda circulava nas veias...

Pensei em correr, mas estava tolhida de medo, não sabia para onde ir, tudo me parecia arriscado, violento. Senti que a dor me trespassa a alma, fugia, tinha de continuar a fugir, estava a ser perseguida há tanto tempo que perdera a noção. Passei a minha vida a fugir!

Tinha a adrenalina a percorrer todo o meu corpo dando-me energia para me esconder, continuar a fugir e, talvez, quem sabe, mais uma vez conseguir sobreviver.

O medo, o temor e o pavor percorriam o meu corpo como um choque elétrico e não aguentava as minhas emoções que explodiam em forma de vómito.

Sentia as lágrimas a escorrerem pelo rosto e, numa derradeira forma de revolta, tentei manter alguma dignidade e gritei, gritei o mais alto que podia. Pedi ajuda, que alguém me ajudasse e me tirasse dos braços daquele terrível pesadelo...

Mas continuarei a fugir, a esconder-me, a viver aterrorizada, por causa da cor errada da minha pele ou por causa da minha religião. Vivo com medo, e continuarei a viver com medo de morrer nas mãos daqueles que se consideram certos. A fugir de um inimigo cruel a quem não conheço o rosto, um inimigo invisível que pode ser qualquer um, basta partilhar os mesmos preconceitos.

Enquanto prevalecer quem julga que uns são e outros não, terei sempre medo e andarei sempre amedrontada, a fugir do racismo dos outros.

 

Susana Cabral

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: