27.7.15

FakeTattoo-ShariWeinsheimer.jpg

Foto: Fake Tattoo – Shari Weinsheimer

 

No grande livro da nossa vida, os dias que vivemos são escritos em páginas onde definimos aquilo que somos, o que fazemos e como o fazemos.

É nelas que demonstramos que a nossa vontade de fazer mais e melhor define o nosso caráter.

Nestas páginas descrevemos as nossas ações e personalizamos as margens da nossa essência. Quando aquilo que somos, a nossa realidade, a nossa essência é distorcida, estamos, sem querer, a viver numa mentira, numa ilusão ou fantasia. Desconfiguram-se as linhas traçadas por aquilo que é autêntico para nós e acabamos por não conseguir definir a verdadeira autenticidade.

Ao afastarem-nos daquilo que consideramos autêntico, legítimo, verdadeiro, sincero, aqueles que o fazem levam-nos a pensar que agimos de maneira diferente do que nos impele a nossa consciência. Acabamos por nos deixar influenciar por opiniões que nos levam a crer que aquilo que somos vai contra o que é definido como “normal”, ao padrão do que é aceitável, não só por nós mesmos mas pela sociedade.

É um afastamento forçado que confunde a autenticidade, a unidade da nossa essência e contrapõe as premissas legítimas da sociedade de que todos somos iguais. E, desta forma, acabamos por viver afastados daqueles padrões e caraterísticas que muitos consideram normais e o reflexo da verdade certa. Caraterísticas como cor de pele, estatuto social, etnia, condições físicas e psicológicas, que muitas vezes são díspares mas não menos autênticas.

Somos marginalizados pelos gostos pessoais, olhados de lado pelo piercing no lábio, postos de parte pelo corpo coberto de tatuagens… fecham-nos a porta a oportunidades por uma deficiência, queimam-nos vivos pela crença… fazem troça de quem é diferente, afastam quem se comporta… gozam, insultam, matam, ferem, magoam… marcam.

Cabe-nos a nós sarar as feridas… disfarçar as marcas… marginalizados??? Só e apenas se o deixarmos… não somos cópias baratas do que está na moda… não somos cópias baratas do perfeito e convencional… somos feitos de defeitos, de feitios, virtudes, traços, de personalidades… não somos cópias baratas, somos o original.

 

P. Melo

 

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: