4.10.15

StunningSunset-MalizOng.jpg

Foto: Stunning Sunset – Maliz Ong

 

Brittany Maynard escolheu o dia em que queria morrer. “Hoje [1 de novembro de 2014] foi o dia que escolhi para morrer com dignidade”, disse na mensagem de despedida que deixou.

A decisão da jovem de 29 anos foi tomada para evitar o sofrimento de passar por uma doença dolorosa – um cancro no cérebro. Depois de duas cirurgias e da doença ter-se agravado, foram-lhe dados seis meses de vida. Os tratamentos adequados ao seu caso seriam demasiado agressivos e tirar-lhe-iam qualidade de vida, talvez, dignidade. “Como o meu tumor é grande, os médicos prescreveram-me radiação cerebral. Li sobre os efeitos secundários: o cabelo ficaria queimado e o meu couro cabeludo ficaria coberto por queimaduras de primeiro grau. A minha qualidade de vida desapareceria”, elucidou a jovem.

Brittany teve de se mudar para Portland (Oregon) – vivia em Oakland (Califórnia) -, onde lhe foi permitido tomar essa decisão e “morrer com dignidade”, como sempre frisou.

Mas esta opção, explicou, obedece a critérios: “A opção de pôr fim à vida é para pacientes mentalmente capazes e em estado terminal, com um prognóstico de seis meses ou menos”.

Pediu e recebeu de um médico uma prescrição com os medicamentos que deveria tomar para pôr termo à vida, se algo se tornasse insuportável. Tinha nas mãos o seu destino, sem que ninguém a obrigasse a nada. “Não sou suicida. Se fosse, já teria tomado os medicamentos há muito tempo. Não quero morrer. Mas estou a morrer. E quero morrer nos meus termos”, acrescentando: “Ter esta escolha no fim da minha vida tornou-se tremendamente importante. Deu-me paz durante tempos tumultuosos que, de outra forma, teriam sido dominados pelo medo, pela incerteza e dor”.

O suicídio assistido difere da eutanásia. No primeiro é a própria pessoa/doente que provoca a sua morte, embora com a ajuda de uma outra que lhe prescreve o tratamento necessário para tal; já a eutanásia é feita por uma terceira pessoa.

Em Portugal, e em muitos outros países, o suicídio assistido e a eutanásia não são legais. Mas não teriam outras pessoas com casos idênticos ao de Brittany e em pleno de todas as suas faculdades mentais a possibilidade de escolha e de livre arbítrio? De também elas poderem escolher “uma morte com dignidade”?

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: