9.6.14

 

O luto anda de braço dado com o apego. Enlutamo-nos, com maior ou menor severidade, sempre que perdemos alguém (ou algo) a quem (ou a que) éramos apegados. O luto é uma mescla de sentimentos pesados que emerge quando nos é subtraída uma parte significativa de nós. O apego é a pertença a alguém ou a algo. Esta pertença, quando ultrapassa o plano material e passa a revestir-se de emoção, começa a fazer parte de nós, contribuindo para o nosso bem-estar e até para a nossa identidade. Somos, para o bem e para o mal, o que temos, as pessoas que amamos (e as que odiamos), principalmente as que gravitam perto de nós, somos tudo aquilo que entra na nossa vida e na nossa história pessoal.

Tenho ouvido umas vozes convictas a defenderem e a apregoarem fórmulas "ganhadoras" de felicidade que têm o desapego na sua raiz. Se bem entendo, o desapego é a capacidade de nos desligarmos das pessoas, dos objetos, dos feitos, das aquisições e do passado sem que, contudo, ponhamos de lado aquilo que por tudo isso sentimos. É conceber o mundo e as pessoas como existentes nos seus contextos e vidas sem que façam verdadeiramente parte de nós, sem que nos pertençam. É uma espécie de libertação emocional que diminui o sofrimento quando alguém nos é arrancado por morte, divórcio, separação, perda ou desaparecimento. É, numa das melhores metáforas que li, como ter um pássaro pousado na mão, que voará a qualquer momento e nós sabemos disso e aceitamo-lo.

Este conceito parece-me válido em situações nas quais não há alternativa, como por exemplo, quando o povo tibetano começou a ser atrozmente perseguido e massacrado pela tirania imperialista chinesa de meados do século passado. Parece-me igualmente válido para quem aprecie uma boa teoria e queira para si uma vida de emoções moderadas. E julgo ser particularmente útil para todos os que procurem soluções místicas para o sofrimento.

Do meu ponto de vista, o desapego tem na sua essência uma existência contaminada pelo medo: medo de perder, de sofrer, de não controlar as emoções, de ficar dependente dos sentimentos... Como convivem os desapegados com a vida, com os prazeres da vida, com o outro lado do apego? Moderadamente, também?

A vida vai tendo, em maior ou menor grau, aqui e ali, agora ou mais tarde, estes dois lados: o prazer e o sofrimento. Um sem o outro não têm definição. Por muito que custe, o luto faz parte dela: estamos sempre sujeitos a perder alguém ou algo. E nem sempre é para dar lugar a uma reposição ou a uma melhoria. Simplesmente perdemos. Mas a vida tem também todo o outro lado, o do amor, da proximidade, da boa gargalhada, da intensidade, da entrega absoluta ao outro, voluntária, para dar e receber.

Não há fórmulas e cada um escolhe a postura que melhor lhe serve: o desapego é um conceito interessante, mas não, obrigado!

 

Joel Cunha

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: