10.9.14

 

Gostava de acordar amanhã e respirar fundo, como se fosse a coisa mais fácil do mundo. Gostava de já não me sentir triste e vazia, incapaz de entender as mais pequenas nuances deste enredo. Gostava de ser parva todos os dias, quase tanto como dou graças a Deus por não o ser. Gostava de passar incólume pela tua sombra e seguir adiante no planeta dos sucedâneos do amor, acreditando piamente que as migalhas são o nirvana e que os sentimentos estão permanentemente em saldo. Maldita educação essa que retira a honestidade do cardápio e a substitui pela incongruência e pelo lugar – tristemente – comum.

Gostava que não me tivesses vendido o príncipe perfeito (por gestos, palavras e confissões) e uma determinação voraz em resgatar o amor da tua vida, a tua alma gémea, se não fazes a mais pálida ideia do que isso significa. Gostava que percebesses que o teu amor nunca me feriu. Magoaram-me as meias verdades e as meias entregas, seres capaz de mentir nos meus olhos acerca das coisas mais banais. Tomei-te por um homem extraordinário mas não é esse que escolhes ser agora e, não jogares limpo, é aquilo que me dilacera. Isso e não me deixares partir, mas já não depende de ti, sabes? Não quero mais esta meia coisa. Não te odeio mas também não te quero por perto. Vive a tua vida, bebe das fontes que tiveres que beber. Desaprende esses processos mentais em que te atas, mesmo que a tua mãe, os teus amigos e o barbeiro te digam que tudo tem um prazo de validade. Não lhes dês ouvidos, a menos que também te ensinem a fazê-lo com honestidade. Ser honesto a tempo inteiro é um fardo diabólico: limita o número de admiradores, fere sensibilidades de calcanhar, molda o círculo social mas também depura a capacidade de ação e acarinha a essência. Experimenta. Vais ver que não dói nada. E, no dia em que souberes exatamente do que estou a falar, vais agradecer eu ter-te impedido de fazer mais estragos nesta peça dramática que podia, afinal, ter sido a história de amor das nossas vidas.

Quanto a mim, depois de vários atos, saio de cena. Preciso muito de acreditar que o amor da minha vida ainda está por vir e que não é um projeto de pessoa adorável, presa no corpo de um tipo cuja alma tem mais buracos que um coador. Sabes o que é mais irónico? Partilhá-los-ia todos contigo, seguir-te-ia até ao outro lado do globo, sem vacilar, por inteiro, sem data de regresso, mas a solidão acompanhada é a pior das companheiras de jornada. E os sucedâneos, a mim, caem-me mal.

Uma vez disseste-me que eu era a única pessoa cem por cento honesta com quem havias estado. Quem me dera poder dizer o mesmo a teu respeito… E agora que me deixaste à deriva, digo-te adeus e resgato-me a ti. Quem te resgatará de ti próprio?

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: