24.10.16

Suitcase-JoseAntonioAlba.jpg

Foto: Suitcase – Jose Antonio Alba

 

No fascinante universo da Psicoterapia existe um método terapêutico deveras interessante, por espelhar as falhas que existem no sistema mais importante na vida do indivíduo - a família.

Basicamente é uma terapia que assenta em três pilares muito simples:

- Necessidade de pertencer a uma família (muitas vezes em nome desta necessidade sacrificamos a nossa felicidade, para não sermos excluídos);

- Necessidade de ordem (quem nasce primeiro na família tem precedência sobre quem nasce depois);

- Necessidade de Equilíbrio (aquilo que se dá e recebe deve estar em equilíbrio numa relação para que haja paz).

Segundo o criador deste método terapêutico, onde existirem pessoas, estas forças estarão sempre a atuar para que haja equilíbrio entre elas.

 

Porém, nem sempre assim é. O que acontece é que, para além de herdarmos os olhos da mãe e o otimismo do pai, a casa do avô e a enxaqueca da avó, nós realmente herdamos as situações mal resolvidas também, pois a história da nossa família acaba por ser herdada por cada um de nós, existindo uma espécie de transmissão cultural que nos afeta mais profundamente do que é possível imaginar.

Por amor e pertença, podemos repetir um padrão familiar que nos desequilibra e leva à tristeza ou à doença, muitas vezes de forma inconsciente. Quando um dos três pilares é transgredido, resulta em sofrimento para a pessoa.

Este método propõe a possibilidade da pessoa compreender e integrar dentro de si a carga familiar que herdou, portando, permitindo a capacidade de colocar na ordem certa o próprio lugar dentro da família e uma certa ordem interior.

 

A questão que coloco é se seremos nós assim tão livres e independentes quando, na verdade, temos tantas cordas e amarras invisíveis que nos amarram ao passado e aos membros familiares que nos antecederam. Serei então aquilo que sou, ou um espelho da minha família? Serei assim tão independente nas decisões que tomo ou é a voz da família que ecoa em mim e escolhe?

 

Nota: Falo, no texto, sobre a Terapia das Constelações Sistémicas Familiares de Bert Hellinger.

 

Sara Almeida

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: