6.11.17

Sunrise - Martyn Cook.jpg

Foto: Sunrise - Martyn Cook

 

Estava um dia cinzento e chuvoso de outono. Sentei-me na esplanada coberta a apreciar o mar agitado.

“- O mar hoje está bonito! Várias tonalidades cinzentas e uma espuma alva borbulhante… Gosto do mar assim, revolto!” Diz-me com um sorriso entusiasmado.

Reparo que a voz vem do homem elegante sentado na mesa vizinha. Ao seu lado aninhado no chão, um cão-guia observa languidamente o tempo que passa.

Perante a minha reação estupefacta, ri-se: “- Ah ah ah! Deve achar estranho um cego como eu, estar a falar-lhe das cores do mar!”

“- Desculpe, não tinha reparado que é invisual. E surpreendeu-me o seu comentário quando o percebi.”

Continuámos a conversar até anoitecer e aprendi que não se É deficiente, ESTÁ-SE deficiente. Relatou que de certo modo todos somos deficientes em alguma função ou caraterística, quer do nosso corpo, quer da nossa vida nos seus variados contextos. Partilhou a sua opinião comigo, que a sociedade tem necessidade de catalogar as deficiências mais óbvias para as poder colmatar de alguma forma, integrando os cidadãos com essas deficiências.

 

Percebi que toda a pessoa é muito mais do que a sua deficiência ou limitação. Quando há uma limitação física, psicológica ou social, a pessoa tenta superar-se, exceder-se nas competências de que dispõe, como forma de mostrar a si e aos outros que também é capaz, que também está ativamente integrado na sociedade. Quando um dos órgãos dos sentidos está em falta, todos os outros se tornam mais apurados e desenvolvidos.

Tal como a vida é efémera, o estar saudável e ser considerado normal sem deficiências é efémero. Talvez se cada cidadão tivesse a consciência de que a sua “normalidade” não passa de um estado efémero, se tornasse mais disponível para compreender e tolerar as diferenças. Por doença, acidente, ou infortúnio, qualquer um de nós está vulnerável a uma alteração e perda das suas capacidades, da sua vida rotineira, normalizada. Como este meu novo amigo, companheiro de contemplação do mar e das suas tonalidades, num acidente de viação que lhe retirou a visão, mas o tornou ainda melhor observador do mundo à sua volta e mais além. Só é cego quem não quer ver!

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
24
25

26
27
28
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: