9.12.15

SemNome-PeterGriffin.jpg

Foto: Sem Nome – Peter Griffin

 

13 de novembro de 2015, uma sexta-feira. Num restaurante no centro da cidade da Maia, encontro-me rodeado de amigos e família que, em poucos minutos, vão-me cantar os parabéns. A mesa está disposta num T grande e eu encontro-me de costas para a televisão. Do nada, algumas expressões transitam. Da alegria e boa-disposição para algo diferente. Rodo cabeça e ombros, permitindo a visão de algo que não compreendi de imediato. Apenas a legenda em rodapé ajudou. A contagem, nesse momento, iria em menos de 20 mortos.

Entre os convivas, a palavra do dia – parabéns, foi sendo substituída por outras. Filhos da puta, terão sido das primeiras. Lembro-me de pensar que, felizmente, tinha feito anos no dia anterior. A minha data de nascimento não ficou marcada para sempre.

 

Nos dias seguintes muitas outras palavras e frases entraram no léxico diário do meu grupo próximo. Isis, terroristas, Paris, foto de perfil do facebook, vítimas, outros países, refugiados, fronteiras, controlo, execuções, perseguições e… medo.

Levantaram-se vozes apaixonadas e geraram-se conversas quentes, principalmente quando se falava de pessoas e migrações.

Eu, por estes dias, sabia que teria de entregar um texto sobre o medo. Evidentemente decidi que o mesmo teria como fundação o 13 de novembro. Hesitei, confesso, de mais. Hesitei tanto que falhei rotundamente a data de entrega do mesmo. Tive medo. Tive medo das minhas opiniões coladas a imagens de corpos. A histórias que foram surgindo logo nas primeiras horas. Histórias de pessoas. Como eu e tu. Pessoas que foram colhidas numa espiral absurda e desumana, de uma guerra que não é delas.

Conclui que, mesmo passados muitos dias, o texto não seria sobre o malogrado dia. Penso que já escrevi, noutro texto para este blogue, que detesto o politicamente correto. E por aqui me fico sobre o tema.

Contudo, sobre o medo não escrevi.

Por mera sorte (porque a expressão ajuda divina não serve evidentemente para este texto), o problema resolveu-se por si. Finda uma auditoria aos meus serviços, sem medo, diga-se, meti-me no carro e dirigi-me a casa. Antena 3 como ruído de fundo e o anúncio de uma música desconhecida, de uma artista conhecida. “Medo do medo”, da Capicua. Ri-me. Aumentei o volume. Prestei atenção. Peço-vos o mesmo.

 

Ouve o que eu te digo,

Vou-te contar um segredo,

É muito lucrativo que o mundo tenha medo,

Medo da gripe,

São mais uns medicamentos,

Vem outra estirpe reforçar os dividendos,

Medo da crise e do crime como já vimos no filme,

Medo de ti e de mim,

Medo dos tempos,

Medo que seja tarde,

Medo que seja cedo e medo de assustar-me se me apontares o dedo,

Medo de cães e de insetos,

Medo da multidão,

Medo do chão e do teto,

Medo da solidão,

Medo de andar de carro,

Medo do avião,

Medo de ficar gordo, velho e sem um tostão,

Medo do olho da rua e do olhar do patrão e medo de morrer mais cedo do que a prestação,

Medo de não ser homem e de não ser jovem,

Medo dos que morrem e medo do não!

Medo de Deus e medo da polícia,

Medo de não ir para o céu e medo da justiça,

Medo do escuro, do novo e do desconhecido,

Medo do caos e do povo e de ficar perdido,

Sozinho,

Sem guito e bem longe do ninho,

Medo do vinho,

Do grito e medo do vizinho,

Medo do fumo,

Do fogo,

Da água do mar,

Medo do fundo do poço,

Do louco e do ar,

Medo do medo,

Medo do medicamento,

Medo do raio,

Do trovão e do tormento,

Medo pelos meus e medo de acidentes,

Medo de judeus, negros, árabes, chineses,

Medo do “eu bem te disse”,

Medo de dizer tolice,

Medo da verdade, da cidade e do apocalipse,

O medo da bancarrota e o medo do abismo,

O medo de abrir a boca e do terrorismo.

Medo da doença,

Das agulhas e dos hospitais,

Medo de abusar,

De ser chato e de pedir demais,

De não sermos normais,

De sermos poucos,

Medo dos roubos dos outros e de sermos loucos,

Medo da rotina e da responsabilidade,

Medo de ficar para tia e medo da idade,

Com isto compro mais cremes e ponho um alarme,

Com isto passo mais cheques e adormeço tarde,

Se não tomar a pastilha,

Se não ligar à família,

Se não tiver um gorila à porta de vigília,

Compro uma arma,

Agarro a mala,

Fecho o condomínio,

Olho por cima do ombro,

Defendo o meu domínio,

Protejo a propriedade que é privada e invade-me a vontade de por grade à volta da realidade, do país e da cidade,

Do meu corpo e identidade,

Da casa e da sociedade,

Família e cara-metade…

Eu tenho tanto medo…

Nós temos tanto medo…

Eu tenho tanto medo…

 

O medo paga a farmácia,

Aceita a vigilância,

O medo paga à mafia pela segurança,

O medo teme de tudo por isso paga o seguro,

Por isso constrói o muro e mantém a distância!

Eles têm medo de que não tenhamos medo.

 

Medo do Medo, Capicua; 2012

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: