16.1.17

RoastedChestnuts-CristinaPechirra.jpg

Foto: Roasted Chestnuts - Cristina Pechirra

 

“Vá, não te lamuries mais, serve-te aqui de umas palavrinhas, que ainda estão quentinhas (ai, se não fosse eu a acudir-te os gritos!).

Está bem, o raio da vida que te calhou não é flor de se cheirar. Mas já que a (es)colheste e a puseste em jarra tipo sempre-em-pé, que queres? Limpa lá os vestígios da água entornada, antes que o tampo da mesa-de-cabeceira fique corroído do sal e serve-te aqui de umas palavrinhas, vá…

Está bem, não te queixes! Sei que hoje as tirei tarde demais do forno e ficaram assim um bocadinho a amargar de queimadas. Mas sempre aconchegam o estômago e dão-te sustento.

 

Mas quem te manda a ti querer da vida o que tu própria não te dás? Olha, rapariga, devias ouvir mais a minha voz. Estou farta de te dar lições, será que é tão difícil aprenderes? Eu até acredito que és inteligente, aprendeste muito bem na escola, caem-te muito bem as palavras à-la-crème-de-la-crème sem perderes a delicadeza de gostares das minhas, caseiras, simplórias, às vezes ázimas (que se me esquece sempre de comprar fermento), cozidas em forno de pedra e às três pancadas (ou mais!).

Mas dizia eu que devias dar-me um bocadinho mais de crédito. Ouvir os meus conselhos. Lembrar-te das águas passadas que, apesar de já não moverem moinhos, guardam a memória do trigo e do suor do moleiro. Às vezes, quando calha, até do sangue do moleiro. Parece impossível, tu, sempre tão esperta para aprender teorias e tão burra para as por a bulir! Corrigir-te, digo eu. Olha que vale mais quebrar que torcer! Mas já não vais lá. Eu sei, estás fraquinha de forças, os danos já são irreversíveis. Não é brincadeira, toda a tua vida deixaste-te minar por maleitas, sem ires ao doutor, agora, olha… Ó rapariga, pronto, não ias ao doutor, ias à bruxa, caraças! Principalmente assentavas bem o que eu te digo, cadernos não te faltam, que andas sempre por aí a escrevinhar pelos cantos! E até acho que escreves bem, lês ainda melhor; o que te falta é saber ouvir-me. É que não dá para entender, valha-me Deus!

Ai, não venhas agora tu pedir-me que pare de te azucrinar. Trata do corpo e da memória, rapariga! E não me venhas com essa que se não morresses da doença, morrerias da cura! - olha, e achas que tu ainda estás viva? Sei lá, às vezes duvido. Não é que eu ache que pena te ajude em nada; penas têm as galinhas. Mas, pronto, às vezes tenho pena de ti.

Tanto te aconteço, tanto te moo o juízo, tanto te trago à lembrança golpes sem perdão, palavras vãs e promessas de lobo disfarçado de cordeiro. Já era tempo de emendares a tua fé e remendares o teu hábito. Ou, como quem diz, mandares às favas quem te não merece.

Olha que é a experiência que to diz, pau que nasce torto jamais endireita!

...

Vá, serve-te de mais umas palavrinhas.

Pronto, deixa lá, vá... Amanhã a ver se faço uma receita nova, com mais açúcar, e a ver se não as deixo esturricar.”.

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Janeiro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
25
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: