9.12.16

Dog-Petra.jpg

Foto: Dog - Petra

 

Acordei virada do avesso: pronto, já percebi porque dormi mal, com as costuras do pijama a magoarem-me a pele de princesa(-faz-de-conta). A nesga da manhã que eu vejo da minha cama rasteira, hoje cinzenta e carrancuda, abriu-se num risinho sarcástico de sol – “quem te manda ir para a cama tarde e a más horas, já sem saber se é sono ou desleixo, essa tua mania de não virares o pijama do direito quando o vestes?”.

A nesga da manhã, o ronronar do dia, a vida que é tarde, o desalento que é sempre. E o aperto no peito, que não quero chamar angústia. A entrega. A entrega, essa companheira maldita, que me reduz à paralisia do corpo e me seduz com o voo da alma.

NÃO! – repito-me, enquanto o motor do universo lá fora tenta adormecer-me de novo, como que esmagando-me, como que tolhendo-me, como que aliciando-me com mais um minuto, uma hora, uma manhã, um dia, uma eternidade. Que eu sei, eu sei, são só ilusões que tomo com o copo de água que não bebo, ao acordar.

O meu bichinho de estimação remexe-se algures, pelo quarto, talvez não-incomodado com as não-costuras da sua cama rasteira. Não-costuras. Que sorte a dele, não viver condicionado por costuras e pijamas, e asfixiado por minutos, horas, manhãs, tardes, dias – eternidades.

 

Que sorte a tua, Kookie, por viveres aprisionado num espaço confortável e seguro, e numa vidinha de pequenas exigências: uma festinha de vez em quando, um olhar cúmplice quando te entendo, um passeio na erva molhada, uma corrida sem trela no hall do prédio, e os poemas que escreves no ar, com a tua cauda felpuda e sempre inspirada.

Vens até à minha cabeceira buscar o teu primeiro mimo, reclamando-o meigamente com a tua patinha-de-lã quase carícia, e tentas alcançar-me, com o narizinho ávido de cheiros, de respostas, de ar, principalmente do que me cerca. E entregas-te, no reconsolo simples da minha mão displicente e lenta. Encostas a cabecita na beirinha da minha cama, contentando-te com o meu toque leve e o meu olhar fundo e a tua expressão é mais que gratidão, é mais que plenitude, é mais que confiança, é quase Amor. Doce – fecho também os meus olhos – “como é doce essa segurança de te ter: aveludado e morno, atento e disponível, feliz e sem cobranças.”.

 

De repente, uma verdade de fundo magoa-me as pálpebras e obriga-me a abrir os olhos, como se uma força física me estivesse a apertar, em círculo de poder esmigalhante e, ao mesmo tempo, reconstituinte e reconstrutor:

“E se eu NÃO te tivesse, meu companheirinho de pelo demasiado, e carinho nunca em excesso?”.

“E se eu NÃO tivesse um pijama, de costuras tão avessas e um aconchego nunca agradecido?”.

“E se eu NÃO tivesse uma manhã para me acordar, birrenta e cinzenta, mas tão garantidamente atestada pelo ronronar da vida lá fora?”.

“E se eu NÃO sentisse esta angústia que é desalento, mas tão nítida e humanamente aberta aos estímulos, às sensações, à voz interior que me diz: ‘levanta-te!’?

‘E se tu NÃO pudesses...?’

‘E se tu NÃO fosses...?’

‘E se eu NÃO...?’

Olho de novo o meu cãozinho, ainda ali, amparando-me a raiz de uma pequena força, algures nas profundezas do meu ânimo. E vejo-A, nitidamente, nos olhos dele – a ESPERANÇA não é verde, não é palavra, não é lato conceito – neste momento, é apenas uma luzinha de cor indefinida, bailando trémula nos olhos do meu animalzinho de estimação.

Sorrio, quase sem querer, embrulho-me em mim mesma, num gesto intuitivo de reconforto, puxo o Kookie para cima da cama, e ficamos os dois, saboreando a proximidade dócil da ternura e do amor incondicional – a Vida é um colo. Um castigo, às vezes, mas sempre MÃE.

E permite-nos sempre a Esperança, sim - que se lixe o pelo nos lençóis!

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Dezembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
26
27
28
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: