9.3.16

MulherEscreveCarta.jpg

 

- Indecisa, inflexível, incompreendida, inconstante, incompreensível, impulsiva, indeterminada. Eu não sei bem… Uma imensidão de “in”. Que se acabem os “in”.

 

Paro de escrever. Leio o que escrevi. O que leio não é bem o que escrevi, ou o que queria escrever. Eu sou tu? Tu és eu?

 

- “Uma pessoa nunca é só uma pessoa mas a tal pequena multidão mais ou menos desarrumada”.

 

Eu: o meu próprio mundo onde ninguém entra.

 

- Cada um, uma espécie de mundo: eu não vejo o que os teus olhos veem, ignoro o que sabes, não sofro a tua dor, não sou a tua pele.

- A nossa pele confundiu-se alguma vez? Chego a ti de que forma? Construo pontes, passagens secretas, caminhos subterrâneos? É assim que ligo o meu mundo ao mundo dos outros? Ao teu mundo? Sei eu relacionar-me com os outros? Acho que vivo num mundo só meu. Intransponível. Acabaram-se os “in”. Sou feita de “in”.

 

Contigo, o ritmo abrandava, desacelerava. A leveza era o bem mais precioso.

 

- Era eu um ser leve como uma pena?

 

Percebi que o teu mundo era tão inóspito quanto o meu. Também tu não sabias as respostas, tão pouco sabias fazer as perguntas.

 

- Ficamos a meio do caminho? Conhecemo-nos, soubemos quem era o outro?

- Só conheceste o meu “eu” virtual, não o “eu” real. Quem é o “eu” real? Não sabes, pois não?

- Não.

- Nem eu! O eu atrás de um ecrã é aquele mais fácil de conhecer, de se dar a conhecer.

- Sim, ficamos a meio do caminho.

 

Onde é que ficaram os gestos, as expressões, o tom da tua e da minha voz?

 

- Pelo caminho. Não somos a solução um do outro.

 

Não sei se foste tu que me viste a mim ou se fui eu que te vi a ti.

 

- Sou pouco e pouco sei. Não penso muito ou penso demasiado. Dá-me respostas.

- Não consigo. Andámos os dois à deriva.

- És tu quem eu esperava que me dissesse quem eu era, na diversidade de todas as outras que me escondem: o ser mais leve.

- Não somos a solução um do outro.

 

As relações entre as pessoas são labirintos: fáceis de entrar, difíceis de sair.

 

- Entramos num jogo. Quisemos jogá-lo: dois jogadores natos.

- O jogo da descoberta de quem eu sou, de quem tu és?

- Um jogo perigoso. Sempre perigoso. Caso contrário, não valeria a pena. Caso contrário, não teríamos lançado jogada após jogada.

- As meias palavras.

- Um jogo onde não podes voltar atrás. Recomeças pelo começo.

- Vezes sem conta. Demasiadas vezes. Até não poder mais recomeçar.

- Um jogo que não dominamos, cujas regras não conhecemos. Jogos sem saída. Jogos por acabar.

- O nosso já acabou? Quando nos encontramos para nos conhecermos?

 

Escrevi. Li o que escrevi. O que li não é o que escrevi ou o que queria escrever. Continuo sem saber as respostas. Fiz eu bem as perguntas?

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
23
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: