9.2.14

 

Conheceram-se num bar. Troca de olhares e um “olá, estás boa?”, servido com um sorriso de dentes brancos e perfeitos, serviu para quebrar o gelo e a contenção da libido sexual.  Coincidência... “A tua universidade não é longe da minha!”. Seguiram-se meses de paixão. Cada beijo como um último, cada palavra como um segredo. O mundo era deles e só deles era esse mundo. Estudos e festas. Mas mais festas do que estudos... Afinal, YOLO! Meses passaram, assim como frequências e exames. Tempo de voltar à terra. Mas, afinal, estas não ficavam tão perto como as universidades...

 

Intervalo.

 

Sempre gostou de motas e de carros. Guardava religiosamente os modelos que mais gostava. E gostava de todos. Os outros putos (parvos), esmurravam a tinta e entortavam os pneus dos seus. Que desperdício...

E o miúdo foi crescendo. Ao mesmo ritmo da sua vontade de ter uma mota. Mas, desta vez, “a sério”. Desdobrou-se em apelos e promessas, assentes nas boas notas do liceu. Vergados pelo cumprimento e pelo desgaste, os pais, desgastados, cumprem. Um aceno à janela, posterior ao normal “tem cuidado filho... existem muitos malucos na estrada.” Primeira sem puxar porque a mãe está a ver... segunda a fundo porque já é depois da curva. Terceira até gritar. A quarta não chega a entrar. No cruzamento, vindo da esquerda, chegou o carro que não devia lá estar. Naquele momento. Naquele metro quadrado.

 

Intervalo.

 

Nasceu pobre mas tal nunca lhe roubou os sonhos. Criança preferida dado que era dotado de algo que o diferenciava dos irmãos. E estes gostavam dele. E como gostavam! A exceção à regra empoderava a fratria. Ficava provado ao mundo que todos poderiam ser mais. Mais do que eram. Principalmente mais do que os outros esperavam que eles fossem. A “joia de menino” passou a “joia de rapaz” e, lá no bairro, o orgulho que nele tinham já ultrapassava o agregado familiar. “Ainda vai ser doutor” profetizavam as velhas. Aquelas que com ele tinham andado ao colo. Boleia à noite porque a casa ainda é longe e porque o tipo é amigo. Amigo, amigo, mas daqueles mesmo amigos, não é. Mas é um “mano”. “Na boa, deixas-me em casa” mas a “moina” não deixou. O quilo de “branca” era o terceiro passageiro.

 

Intervalo.

 

Do balcão do café central vê chegar a morena. Trás tiques de imigrante, mas isso, desta vez, não o afeta. De louco até aceita ir às festas da terrinha. Na cabeça já não conta o que é parolo. O menino, agora da cidade, troca a razão pela fantasia. Troca de olhares e um “olá, estás boa?”, servido com um sorriso de dentes brancos e perfeitos, serviu para quebrar o gelo e a contenção da libido sexual. Coincidência... Da terra, a outra que não esta, veio a morena para vê-lo. A outra. Não esta.

 

Fim.

 

As máquinas fazem barulhos que não queremos ouvir. Os tubos mostram coisas que não queremos ver. Os espaços cheiram a produtos que não queremos cheirar. Tudo é limpo mas não queremos estar aqui. Da janela deste quarto não há acenos. A chuva, lá fora, não dá tréguas. Cá dentro, é o tempo que não as dá. O miúdo que gostava de motas esmurrou a pintura e entortou os pneus. E as costas. E o pescoço. E o baço. E quatro costelas. E um braço. E uma perna. E a cabeça. A bata branca comunica o veredito. Nem se lembram do nome do mensageiro. Esse pano parece que entrou a flutuar no quarto. Etéreo. Sem rosto. As máquinas são para desligar. Vergados pelo cumprimento e pelo desgaste, os pais, desgastados cumprem.

 

Fim.

 

Gritam e gritam mais alto. Perguntam e insinuam. Tratam-no como um bicho. Um delinquente. Nasceu pobre mas cresceu como preferido. Onde está isso agora? A admiração? A esperança? O futuro? O bairro apanhou-o. Ou a fama deste. Lá, nesse sítio não existe gente boa. “São todos iguais”. “Subsídio-dependentes”. “Ralé”. O “mano” não o ilibou. A cooperação e um cúmplice atenuam as coisas... Não tem cadastro mas vai ter de “cumprir”. Era muita “branca”... A parte de dentro dos muros altos é uma visão desconhecida. O choro arrasta-se até à cela e arrasta-se no tempo. Lá dentro também há quem goste dele. Mas não é amor fraterno... Dor, humilhação, abuso, consumo. Não era muito tempo, mas foi a tempo de o destruir. O lençol passa no pescoço e a cadeira cai no chão.

 

Fim.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

24
26
27


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: