16.10.17

Adult - Pexels.jpg

Foto: Adult - Pexels

 

Diretamente, ainda que titubeando, para as conclusões.

Confesso que não sei, não estou absolutamente certo, mas devo ter algumas, possivelmente tenho, é quase certo que sim. Estou a falar de deficiências. A minha sorte é que as minhas, várias, não são relevadas pela sociedade, aqui e agora, e passo como que incólume. Vejo mal, faltam-me alguns dentes, uso próteses para compensar. Não sei dar cambalhotas...

Vivo numa época e numa sociedade muito sensível à norma, à padronização e, também, nem sei se por contradição se por concomitância, à salvaguarda da diferença.

Talvez seja o caldo de cultura para a emergência do politicamente correto. Há os deficientes físicos, intelectuais, psicossociais, ai de quem os chame de coitadinhos, mas ao mesmo tempo e para as mesmíssimas gentes, a tentação do eufemismo impera. Não há cegos, mas invisuais, não há aleijados, também não fica bem verbalizar o termo “louco”.

 

Complicado. Contraditório? Pois, é a vida. Cairia o Carmo e a Trindade, naqueles unanimismos momentâneos e passageiros, se alguém usasse publicamente a denominação “inválidos”. Apesar de algumas pessoas com deficiência não terem condições de se valer a si próprios.

As coisas são o que são, de acordo com o tempo e com o lugar. Sempre.

Talvez valha a pena recorrer ao que, se bem penso, já vem desde a antiga e democrática Atenas - tratar o que é igual como igual e o que é diferente de forma diferente.

Nem mais, nem menos. Adequado, com aceitação, sem necessidade de eufemismos, que, diria, não são mais do que uma forma de dizer coitadinhos... dos inválidos.

Nada de coitadinhos. Voto contra!

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

De Teresa a 17 de Outubro de 2017 às 14:54
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentário :) . Sim, é essencialmente isso, uma doença não define a pessoa. Por outro lado, também concordo que, por vezes, se usa excessivamente os eufemismos, sem que daí resulte uma maior aceitação das pessoas com algum grau de deficiência ou com alguma doença. Faz-me muito sentido a ideia de que se deve tratar igual o que é igual e diferente o que é diferente, rumo a uma maior aceitação. Seria muito bom se assim fosse, particularmente no plano laboral e nas escolas, para que todos se sentissem integrados.

Descobri o Vosso blogue há cerca de um ano e sigo-o desde então. Muito, muito bons os textos. Continuem a escrever!

Cumprimentos

De Teresa a 16 de Outubro de 2017 às 20:47
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como portadora de uma doença mental crónica que me provoca algumas limitações no dia-a-dia (particularmente ao nível da sociabilidade) não gostaria que chamassem simplesmente de louca. Loucura é o que me acontece no estado agudo da doença. Denominar as minhas limitações que decorrem da doença como loucura parece-me redutor.

De jorge saraiva a 17 de Outubro de 2017 às 14:23
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se dar o trabalho de comentar o meu texto.
Compreendo o seu desconforto quando a chamassem simplesmente louca, como se isso a definisse.
O que eu pretendi dizer no meu texto foi que todos os que tenham qualquer deficiência, física, psíquica, psicossocial deverão ser aceites como são e tratados em conformidade. E todos devemos, se possível a começar ou a acabar pelos próprios, fazer o que estiver ao nosso alcance para atenuar ou anular as dificuldades supervenientes da deficiência. Igual o que é igual, diferente o que é diferente.

Outra coisa é o nível da linguagem: se louco ou cego ou maneta são expressões que encerram uma carga negativa, duvido que uma mera alteração de terminologia resolva o problema. A prazo a nova terminologia vai ser enformada com a mesma carga se a única coisa que tiver mudado tenha sido o termo usado.
Espero ter ido ao encontro do seu ponto de vista e ter tornado o meu texto um pouco mais claro. E claro que não temos todos que pensar da mesma maneira :)
Da minha parte, uma característica, uma doença, uma deficiência, por si só, não definem uma pessoa. Claro que influencia e marca a sua vida, causa imensas dificuldades, assim como proporciona acrescidas capacidades e sensibilidades noutras áreas ou competências como que em compensação.

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Outubro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
18
19
21

22
24
25
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: