22.8.16

Chess-AloisGrundner.jpg

Foto: Chess – Alois Grundner

 

O cenário era perfeito. O sol, brilhante e intenso, não incomodava porque as copas das árvores coavam a dureza da luz e oferecia uma sombra convidativa ao descanso. Ele, sentado num banco, ia bebendo uma espécie de chá gelado e aguardava. Ela baloiçava-se numa rede presa a dois troncos e, não fosse o olhar fixo no tabuleiro colocado entre os dois, dir-se-ia que relaxava. Mas, um olhar mais atento e percebia-se que aquele era o confronto entre dois seres que se queriam derrubar.

“Amar-te-ei até à eternidade!”. Disparou ela sem qualquer emoção na declaração de tão nobre sentimento. E enquanto mexia a rainha pondo-a a salvo de ser comida por um peão - no xadrez até os peões podem comer as rainhas - mirava-o pelo canto do olho. Um esgar no rosto e a espera pelo momento em que ele haveria de baixar a guarda, aproximar-se-ia e faria um gesto para a acariciar, sinal de que a declaração o tinha sensibilizado. Era então chegado o momento de recuar e de o ridicularizar como tantas outras vezes. Dir-lhe-ia que não há eternidade naquilo que se pode ver ou tocar e o amor deles, quando existiu, era palpável, não podia ser eterno. Tomou gosto pelo jogo em que transformaram o relacionamento. Definiram regras que infringiam constantemente; usavam as mesmas armas: provocação, humilhação e desamor. Se um deles se aproximava, o outro tinha que se por em guarda porque se se deixava arrebatar, o mais certo era ser magoado e humilhado.

Ele, como ela, sabia quão leviana era a declaração. Há muito que, falar de amor entre eles era ridicularizar a palavra e o sentimento. Desta vez ela sairia defraudada, não faria o jogo dela. Não foi sempre assim. Entendiam-se, amavam-se e conheciam a felicidade. Hoje continuavam unidos, mas fazia muito tempo que se tinham deixado. Continuavam unidos apenas e somente na infelicidade de já terem sido felizes.

 

Gostava de lhe comer a rainha. Pensava ele enquanto colocava o bispo na diagonal na esperança de que a soberana se pusesse a jeito. E, na ânsia de lhe desferir o golpe, não reparou que o cavalo, de um salto, se atirou ao bispo e o derrubou. O sorriso mal disfarçado da adversária irritou-o.

Como a odiava! A ela e ao jogo do toca e foge que tão bem sabia jogar!

A saída do bispo desprotegeu o rei branco, o sorriso dela era de triunfo quando gritou: “Xeque ao rei!”. Precipitou-se a comemorar o triunfo porque a torre, ameaçadora, fez “Xeque-mate” ao rei preto.

Foi a vez de ele sorrir e gritar: “Fim de jogo, querida!”.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Agosto 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
18
20

21
23
25

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: