18.2.15

CallCenter.jpg

 

O trabalho ideal é aquele que nos faz erguer manhã bem cedo, de rompante, ao primeiro toque do despertador.

É aquele que não nos faz sentir culpados por passarmos tantas horas longe da família. Que nos enamora ao ponto de pensarmos nele mesmo quando não estamos a trabalhar.

É aquele que nos faz sorrir quando alcançamos uma meta. E que, quando a alcançamos, nos impulsiona a definir uma nova.

O trabalho ideal provoca adrenalina, nervoso miudinho, stress e tensão em doses moderadas.

É aquele que nos permite fazer aquilo de que gostamos e para que estamos habilitados, mas também nos proporciona tarefas e desafios diferentes fora da nossa zona de conforto, aportando novas experiências e conhecimento acrescido.

O trabalho ideal não nos provoca um sentimento de injustiça quando olhamos para o recibo do salário no final do mês!

O trabalho ideal proporciona prazer, realização e nunca cansa, mesmo nos dias mais cansativos. Transmite-nos segurança sem nunca nos deixar acomodar.

 

E depois… depois, há a Joana, que como estava desempregada há quase 18 meses e queria meter o mais velho na música, enquanto o mais novo precisava urgentemente de acompanhamento médico por suspeitas de autismo, aceitou trabalhar numa empresa sem qualquer vínculo contratual. Nesse trabalho, o carro (dela) acumula km, consome combustível e o retorno - magro e sempre atrasado – só chega se houver concretização de negócio.

Há ainda o Frederico, webdesigner de profissão, que na empresa onde está desenvolve alguns projetos ligados a essa área (e tem tanto potencial!), mas também é chamado para trocar lâmpadas ou consertar o autoclismo da casa de banho quando é preciso – muitas vezes.

E a Isabel, que apesar de excelente vendedora e vitrinista, foi convidada a cessar contrato quando regressou da licença de maternidade, já que a empresa a tinha substituído por um estagiário muito mais em conta. As vendas da loja caíram a pique, por isso Isabel foi chamada… para fazer férias, baixas e épocas altas – nunca sabe quando a vão chamar novamente ou se irão renovar o contrato temporário.

Ou o Jorge, professor não colocado, que encontrou no callcenter de uma grande marca a única saída profissional disponível para poder concretizar o projeto de arrendar um T1+1 e juntar os trapinhos com a namorada. Vive na pressão constante de obter resultados, importuna centenas de clientes e de muitos deles engole “nãos” ásperos com o mesmo discurso ensaiado que aprendeu no primeiro dia.

 

Mas todos eles, todos nós podemos sonhar com o trabalho ideal.

Enquanto sonhamos, a realidade torna-se um pouco menos insuportável.

 

Sandrapep

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: