21.7.17

Woman-Pexels.jpg

Foto: Woman - Pexels

 

As coisas terrivelmente más nunca nos acontecem, são coisas de filme, ou daqueles livros cheios de tentáculos por dentro, que saltam das páginas, se agarram à nossa garganta e nos sugam todo o ar, até que a palavra “FIM” nos resgate (do prazer) do sufoco. E nós, esgotada a adrenalina do suspense e da emoção extrema, voltamos lentamente ao mundo real, ao mundo seguro, à nossa vidinha de trazer por casa.

É claro que a nossa vidinha de trazer por casa também tem lá as suas tragédias, tramoias e sobressaltos. Claro que tem – ah, se tem! Mas, como diz o outro, haja saudinha! A gente vê, por esse mundo afora, problemas tão maiores que os nossos! Longe, tão longe de nós. Mesmo que seja na casa da vizinha.

A verdade é que nunca estamos preparados para o pior. Nunca. É instintiva e natural, essa íntima e falsa certeza de que nos armamos, em legítima defesa. Estratégia de sobrevivência, com certeza. Esperança. Fé. Ou, simplesmente, distração calculada.

 

Mas uma coisa de que não nos conseguimos livrar, é de, de vez em quando, ter pesadelos. Dormindo, baixamos guardas, distraímo-nos por cansaço e, de repente, tropeçamos num pesadelo. Daqueles. Dos piores. Dos que nos saltam à garganta, nos gelam por dentro, nos certificam seres frágeis, nos destroem todas as forças e nos fazem querer... ia dizer “morrer” – mas não, vou dizer “acordar”. Olhamos em volta e pensamos: “Isto não está a acontecer-me... isto só acontece aos outros, não a mim. E mesmo quando acontece aos outros, é longe, muito longe de mim. Como é possível?... Não, não é verdade, até porque esta dor que sinto é humanamente insuportável. Não se sobrevive a ela. Não. É um pesadelo. Horrível. Amanhã, quando acordar, nem sequer quero ter memória dele, porque tenho a sensação que, nem contado, nem lembrado, isto seja coisa a que seja possível “sobreviver.”

Espera-se a manhã até a dor da alma passar ao corpo, ou a dor do corpo passar à alma, conforme o pesadelo. E a manhã não chega. Toma-se um sonífero, meia dúzia, para voltar a dormir, para voltar ao sonho, para fazer rewind, desmantelar a cena, redirecionar todo o enredo. Mas nada. Nada: acorda-se para dentro do mesmo pesadelo, agora ainda mais negro, mais arrasador. E todo o nosso corpo a negar ter forças para o aguentar. E, com o nosso já pouco discernimento, só podemos continuar a afirmar veementemente, por puro instinto de sobrevivência, que tamanho horror só acontece aos outros, muito, muito longe de nós. Ou... em pesadelos. Ou em pesadelos, claro. “Isto é um pesadelo. Daqui a pouco acordo e não é nada.” (sorriso frio, perdido dos olhos) “Acordem-me!”.

 

Devagarinho, acabamos por acordar. Não é um processo fácil, não é um processo inócuo, mas acordamos. Dali a meses, anos, vidas. Mas acordamos.

O tempo é, na verdade, o outro significado da palavra esperança. Mas a palavra pesadelo, perderá, para sempre, o significado de sonho.

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: