28.6.15

Business-PetrKratochvil.jpg

Foto: Business – Petr Kratochvil

 

A realização de uma atividade por um profissional qualificado tem um papel primordial e indispensável no desenvolvimento das organizações e das sociedades, independentemente do nível de desenvolvimento industrial e tecnológico que são apadrinhados pelo desenvolvimento científico, outra atividade profissional. O trabalho sempre foi um dos desideratos do ser humano qualificável, enquanto ser criativo e prenhe de necessidades; essa foi a característica que mais distinguiu o Homem dos outros seres.

Por sua vez, os homens distinguem-se, dentre outros parâmetros, pela sua produtividade e pelo seu valor, elementos conseguidos através de um percurso baseado na valorização de suas aptidões e competências, um investimento do tempo focalizado na educação e formação contínua, forjando o capital humano que gera value for money.

Este perfil acima traçado e comprometimento com o sucesso é um exercício de feedback que os profissionais procuram de si na justa medida, o seu contributo e papel num processo de trabalho é observável pelos resultados conseguidos com e sem a sua participação. Efetivamente, a capitalização das suas aptidões e competências valorizam ainda mais a sua contribuição individual para o processo como um todo e para o sucesso do grupo.

A conquista ou distinção é mérito das pessoas que estão comprometidas com o trabalho e com o resultado. O foco, a fidelização e a responsabilização são valiosos contributos para o sucesso profissional, conseguido através da aceitação da crítica e abertura para a aprendizagem, bem como a valorização de todos como parte do processo. Efetivamente, as parcerias e os trabalhos em grupo são mais valiosos que os trabalhos individuais porque há participação de mais elementos gerando sinergias.

É consensual que dinheiro suficiente e que baste é sinónimo de sucesso num sistema justo em que os recursos são remunerados de acordo com a sua produtividade, todavia, não é líquido que sucesso, entendido como dinheiro, seja sinónimo de muito trabalho na mesma ordem. Porque os sistemas não são justos nem transparentes, é normal que ocorram desvios e que essa lógica não possa ser generalizada.

O dinheiro é, em termos absolutos, um meio de pagamento, um meio de troca usado para sinalizar as transações comerciais entre diversas pessoas. O dinheiro quando bem aplicado pode criar valor, mas somente numa perspetiva de longo prazo. Assim, entende-se que o dinheiro enquanto meio de pagamento não é valor, esse dinheiro pode resultar em valor dependendo das escolhas que efetuamos hoje relativamente a aplicação desse dinheiro.

Por sua vez, o valor é um produto, um serviço, um ativo, conhecimento ou o portfolio (conjunto destes) que sendo valioso obedeça ao seguinte ciclo: tenha utilidade, exista mercado com poder de compra e que possa assegurar a sua procura e que seja um produto ambiente e moralmente sustentável. Para tal ser verdade, há necessidade de reinventar o valor de acordo com a orientação estratégica do contexto em que está inserido e descobrindo continuamente novas tendências para validar aquele ciclo. O sucesso reside em prolongar o ciclo de vida do valor ou em maximizar os benefícios resultantes da sua exploração.

O Princípio de Pareto é recorrido para, dentre outros, explicar muitas das relações produtivas em sistemas de desempenho com foco no resultado. De acordo com esta lógica, de uma forma sintética, 80% das consequências (resultados) resultam de 20% das causas (fatores produtivos). Num mundo cada vez mais desigual, existem quadros muito mais extremos onde essa desigualdade é mais acentuada.

Relativamente ao trabalho, cultura de trabalho e desempenho, observa-se que uma minoria de pessoas contribui para o grosso do sucesso coletivo, embora um grupo misto e diversificado seja incubadora de alguns líderes que levam o peso do grupo às costas e são, ainda assim, injustamente crucificados.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: