1.4.15

VelaArde.jpg

 

Agora sou quem sou! Sou o resultado do meu passado e este faz-me falta para perceber quem sou agora e, não seria quem sou, se não fosse o meu passado. Agora sou também aquilo que projeto para o meu futuro, o qual resulta do meu passado (experienciado) e do meu agora. Assim, percebo expetativas para a minha vida futura. Sérgio Godinho já dizia (diz) que “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”. Esta afirmação perspetiva futuro e passado. Futuro, porque hoje é o 1.º dia e, passado, porque o hoje é o resto. Assim, quando se diz “O resto da minha vida”, o futuro é analisado à luz do passado e do agora.

Ao passear na rua, no nosso trabalho, em nossa casa e em outros sítios, cruzamo-nos, muitas vezes, com a frase “o melhor será viver um dia de cada vez”. Tenho dificuldade em percebê-la; faz-me refletir sobre a vivência e a existência humana; confesso até que fico desapontada e triste… não percebo muito bem porquê; dizem-me que, pensando assim, serei mais feliz… será que me dizem para viver aquele dia com muita intensidade – viver o agora com muita intensidade? Colocar tudo no hoje? Como o faço se estiver mal com o meu passado e com o meu futuro?

Por outro lado, o agora, o hoje, não deverá ser avaliado como o “escuro que fica depois de se esgotar a luz de uma vela que desapareceu”. Cardoso (2010) ao falar de depressão realça que esta empurra para o fosso escuro da existência; está-se embaraçado, ancorado, emperrado na marcha para diante. O tempo íntimo (tempo que está dentro da pessoa) está parado, não é capaz de andar para a frente para acompanhar o tempo de fora, o tempo do mundo. Assim, não há passado nem futuro no agora da pessoa deprimida.

“Viver um dia de cada vez”; “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida”… sinto-me bem quando percebo o hoje como o primeiro dia do resto da minha vida. Dá um sentido temporal à minha vida; dá um sentido útil ao agora, porque é o primeiro dia e, por ser o resto da minha vida, precisa de ser pensado para preparar o resto; o futuro. Assim, não me permite pensar que o “tempo do agora” é “o escuro que fica depois de esgotar a luz de uma vela que desapareceu”.

O agora parece-me ser um “sítio” de análise complexa. Será dificuldade minha…

 

Ermelinda Macedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: