22.4.16

Agree-CreditRobertOwen-Wahl.jpg

Foto: Agree – Credit Robert Owen-Wahl

 

Vivo em sociedade, logo tenho de ser responsável pelos meus atos. Viver em sociedade implica que o cidadão tem de cumprir os seus deveres, sob pena de poder vir a ser considerado irresponsável. Eu não quero que me tenham por irresponsável, não faz bem ao meu ego; quero sentir que sou responsável e manter sempre a consciência do dever cumprido, garantia do meu estar interior. Procuro agir sempre de modo que os efeitos da minha ação respeitem os valores da sociedade em que estou inserido.

 

Sei que é pressuposto da responsabilidade que alguém, para ser responsável, tenha de ter consciência quanto aos atos que pratica voluntariamente, ou seja, que consiga saber, antes de agir, as consequências da sua vontade. Por isso, os inimputáveis, carecidos de vontade própria, estão excluídos da responsabilidade dos seus atos. Nos atos que pratico diariamente, a sombra da responsabilidade, embora oculta, acompanha-me pari passu nos meus deveres, perseguindo estes, pronta a manifestar-se se porventura ocorrer a violação de algum deles e se justifique a sua intervenção, impondo a sua força ressarcitória, se for caso disso, para proteger o lesado, por um lado, e por outro, atribuindo ao lesante o ónus de ressarcir. Sei também que, em alguns casos, mesmo na ausência de culpa do sujeito ou de uma ação censurável, ela logo se perfila também para afirmar a sua natureza preventiva e o seu instituto reparador.

 

O conceito de responsabilidade é imenso, de enorme amplitude, intervindo em todas as situações da vida humana, mesmo nos atos mais elementares do cidadão comum, a quem impõe as suas regras, consoante a natureza do dever a cumprir. Por essa razão, não será possível conceber uma sociedade sem o postulado do princípio da responsabilidade, enquanto fonte de obrigações pessoais e como imperativo de sã convivência e igualdade entre os cidadãos. Não esqueço e terei sempre presente que, na orientação da minha vida, tal princípio constitui também a afirmação do verdadeiro dever de cidadania. Tão caro é, e inerente ao ser humano, que deverá ser respeitado como um pacto de responsabilidade da vida.

 

José Azevedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Abril 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: