10.12.14

DuasMaos.jpg

 

É, até certo ponto, desconcertante pensarmos nas dualidades ou realidades opositivas que, naturalmente, nos sugere a ideia ou imagem de Um vs Mundo. E é, precisamente, também esse o interesse do desafio da escrita, seja ela mais técnica ou mais romanceada.

A construção do sentido está inerente à condição do percetor, ainda que o significado do que é dito possa ter raiz simbólica diferente para quem o escreve ou cria, abrindo, assim, espaço e dando liberdade heurística ao seu público. É, por isso, a criação intelectual um dos maiores exercícios de assunção e concessão democráticos.

Quem somos está presente em tudo que nos rodeia, o âmbito circunscrito do ambiente em que circulamos e nos manifestamos. Mas isso não quer dizer que quem somos ou o que façamos seja pequeno ou insignificante. Somos agentes sociais, naturalmente.

Por altura em que tomei conhecimento de qual seria o tema deste mês para o blogue Mil Razões…, encontrava-me, ainda, impactada por um vídeo a que assisti, o qual se enquadra, perfeitamente, nesta conceção de Um vs Mundo, ainda que não tenha como cunho a divergência, mas, pelo contrário, o abalo positivo que nos causa a compreensão humana, a renovação, a paz de espírito, o perdão, o exemplo.

O cenário é-nos dado pela história real de um assassino em série (serial killer) que, após confessar a morte de 48 mulheres, foi condenado à prisão perpétua, em dezembro de 2003. De forma a mostrar os danos originados por tais atos tresloucados, o tribunal permitiu que, perante o culpado, as famílias pudessem expor as expetáveis emoções antagónicas, negativas, que estas experimentavam em relação a ele e aos seus atos. No entanto, a face do culpado mantinha-se inalterável, sem a manifestação da mais ínfima expressão de remorso ou arrependimento, situação, aliás, típica do universo emocional e mental de sociopatas. Expressões como “É um animal!”; “Espero que morra com muito sofrimento e crueldade!; “ Que vá para o inferno!” eram bem reveladoras do ódio que pairava naquela sala de tribunal. Até que surge um senhor, cuja filha tinha sido uma das vítimas, e desmancha a máscara insensível e imperturbável do culpado com uma bondade que nos toca. E é nesse momento que a comoção aparece, quando é surpreendido pelo discurso desse pai. Vale a pena transcrevê-lo:

- Senhor Ridgway, há pessoas aqui que o odeiam. Eu não sou uma delas. Você tornou difícil viver de acordo com o que eu acredito. E isso é o que Deus diz para fazer, que é perdoar. Você está perdoado, senhor.

Eu não sou religiosa. Considero que, neste caso, não é essa sequer a questão mais relevante. Este pai precisou rever suas ideias, valores e pressupostos para conseguir permanecer em paz com ele mesmo e conciliar suas convicções com o desapego que uma nova situação estava a exigir dele. Perdoar não é só possível, como desejável, e altamente libertador.

Somos muito mais quando construímos.

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Dezembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: