18.3.16

SemNome-ВиталийСмолыгин.jpg

Foto: Sem nome – Виталий Смолыгин

 

Todo o agente ativo com personalidade jurídica tem a faculdade de agir em seu nome próprio e assim promover a transformação do mundo a sua volta, com duplo impacto, movido por interesses endógenos na esfera pessoal do agente e interesses coletivos circundantes da sua esfera exógena, campo ocupado pelas outras pessoas.

Assim, pretendendo configurar o Eu para dar eficácia ao supracitado, aventa-se um protótipo de agente que ab initio possui um conjunto de necessidades e objetivos próprios, então se for de natureza humana acresce-se ao primeiro os objetivos coletivos. Adjacente à personificação está a sua identidade, que se espera que seja única e própria para distingui-lo dos outros no plano operacional, bem como na diversidade existencial do universo em que esteja inserido.

 

Perceber a natureza e complexidade do Eu não é um exercício desnecessário de alienação de recursos escassos, destarte requerer segregá-lo para perceber a sua composição, que de uma forma geral possui duas componentes complementares, o hardware que é a caixa ou o corpo que dá forma e estrutura ao sujeito, e o software que é a parte lógica, o conteúdo que forma o processo racional. Se, relativamente à primeira componente, não oferece um grau de dificuldade para formar uma ideia sobre a sua mecânica, a segunda coloca um desafio acrescido sobre a compreensão da sua lógica funcional e motivacional. Compreendidas as partes, uma análise holística permitirá reconciliar as duas componentes e assim validar os pressupostos do particular completando o puzzle.

Certamente que este exercício não é trivial, pois a soma das partes nem sempre é igual a dois, tornando ainda mais interessante esta disputa. Sob o ponto de vista do objeto, sendo um agente mutável não vai pretender facilitar, nem ser caçado e se o destino assim desejar, evitará ser considerada uma presa fácil. A dinâmica dos processos induzida pela rotina enriquece a informação genética das gerações vindouras e também aprimora as boas práticas propaladas pelos antecessores.

 

De facto a mutação do modus operandi é uma necessidade decorrente da sustentabilidade das espécies que, num horizonte de longo prazo, adaptam paradigmas próprios para saber lidar com os desafios recorrentes e também enfrentar os novos. Mais uma vez a componente lógica entra em ativação contínua para desenvolver os conteúdos necessários que alimentam um processo decisório cada vez mais complexo.

Para reivindicar qualquer mudança sobre o mundo externo é preponderante que a primeira mudança seja operada por nós e recaia sobre nós próprios. Entretanto, para incorrer ao processo de gestão da mudança, implica compreender o quê, como e por que mudar, sendo a resposta para esta preocupação à necessidade de nos conhecermos a nós próprios, o que rompe por completo com o circuito e remete-nos ao ponto de partida. Conhecer a nós próprios, num sentido ousado do termo, implica sairmos de nós próprios e irmos ao nosso encontro com auxílio de uma mão invisível, aproximação essa somente possível quando o estado de espírito está sossegado e sem compromissos avultados. A agenda central desse encontro gravita em torno de três questões intimamente relacionadas, designadamente, rever o passado para compreender o presente e assim visionar com clareza o futuro.

 

Quando se consegue atingir esse ponto de equilíbrio adquire-se certo poder de conquista de objetivos de longo prazo, motivado pela vontade altruista de fazer a diferença, manifestado pela capacidade de persuasão e influência sobre outros, bem como o poder de autocontrolo ou mediação do incessante diálogo entre as expetativas traçadas e os resultados observados.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
23
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: