22.9.14

 

Recordo-me bem do meu primeiro dia na Primeira Classe. Lembro-me, também, que o meu amigo Bernardo da turma do infantário, que tinha um primo que era mais velho que nós e que nos avisou que “a primeira classe é muito difícil!”. Lembro-me tão bem como se fosse hoje: a minha mãe enorme (aos meus olhos e centímetros), a sua mão a levar a minha, pequena, até à porta do fundo do corredor; aquela porta lacada (e lascada) de branco, quatro vitrais tapando a vista para uma imensa sala com paredes cor de azeitona, duas grandes janelas de cima abaixo virados para o recreio, e 36 alunos prontos para a próxima etapa das descobertas.

O momento, na minha memória e alma, é tão cerimonioso como outro sacramento qualquer. A intensidade é a mesma que o cheiro a jasmim que exalava por todo o estabelecimento de ensino onde estudei durante 14 anos. Assim como as freiras vestidas de negro, molhes de chaves à cinta, olhar circunspeto. Algumas não eram assim. Tantas eram mais que isso… A diretora era a Ma Mére… E era mesmo.

Mas não poderei esquecer esse mesmo dia e todo o peso de um cruxifixo por cima do quadro de ardósia, um Cristo – pobre Cristo de costas largas – que nos ensinaram a temer e a pensar “Se faço asneiras ele lixa-me”. As revistas pousadas na secretária, de teor cristão (e nós ainda sem saber ler)… E a cabeleira cor-de-canela dela.

A primeira vez em que verdadeiramente a minha mãe me deixou a alguém como quem deixa uma filha a outra mãe. E ela, a minha professora da minha infância, tinha uma cabeleira cor-de-canela preciosamente penteada em caracóis, uma bata imaculada e passada a ferro, sem vincos. Um sorriso nos lábios e nos olhos. Uns óculos que deixavam, na mesma, transparecer das maiores genuinidades que conheci em toda a minha Vida.

Albertina, era ela. Casada com o Ensino, sem réguas nem palmadas. Todas as manhãs, nas tenras manhãs de 1985, fazia connosco meditação – num colégio franciscano. Por todas as vezes que existia uma asneira, existia uma compreensão – autoritária, também, mas de voz doce. Nunca castigava. Reconhecia e reforçava. Tinha uma paciência de Jó com a minha matemática e com a Marta, a minha colega de carteira que passava a vida a adormecer. Sorria a todos. Ensinara já o meu tio, acarinhava-me como se fosse da minha família. Minha e dos restantes 35 mirins que por lá andavam. Guardo saudades desses tempos como quem come cerejas: quando vem uma recordação vem mais uma e outra, bem direta do coração. Como a minha professa ainda está. Em mim e em tantos.

Saiu do estabelecimento em discordância – ironia das ironias – com aqueles propósitos franciscanos. Mas dela mantive sempre contacto. Foi através dela que conheci o parceiro da minha vida, o companheiro dos meus dias atuais, outro colega de carteira que guarda o mesmo afeto que eu. Ficou feliz quando soube do nosso casamento e da herança filial que já temos. E a herança dela, involuntariamente e inevitavelmente, é passada para o nosso filho.

Perdoem os entendidos a minha homenagem bacoca. Educação é um tópico tão vasto, puxa sempre para a nossa intelectualidade. Mas parte da minha Educação vem dela: aquilo que sou, os meus princípios, a minha moral, a minha consciência; tudo terá um dedo dela. E as palavras saíram-me espontaneamente neste pedaço de texto.

E porque aquilo que damos, aquilo que criamos, aquilo que educamos, vem também de quem nos dá e de quem nos deu. Sobretudo quando é dado com a alma inteira.

 

Sofia Cruz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: