2.3.15

DoisEuros.jpg

 

Assim de repente, talvez facilitando ou simplificando, podemos considerar o domínio do fogo como o princípio desta história. Vem a propósito de o Homem ter passado a lidar com um objetivo de vida, anseios, sonhos e não apenas passar por aqui lutando pela sobrevivência.

Foi assim que pudemos passar a fazer outras coisas além de recolher o que havia ou passava à nossa frente para nos alimentarmos; foi assim que passámos a poder estabilizar num território e potenciar o que a terra dava através do que veio a ser a agricultura; foi assim que começámos a adaptar objetos, a construir ferramentas, para essa agricultura e para que a caça e a pesca fossem mais eficazes e produtivas, a criar condições e meios para levar a nossa produção excedente de uns locais para outros, por terra e mar ou rio, muitíssimo mais tarde, até pelo ar.

Bom, está mesmo a ver-se onde isto levou. Começámos a saber fazer coisas, a criar valor. Não teria sido assim tão de repente, mas a certo ponto começou a haver especializações - uns caçávamos, outros cultivávamos a terra, outros pescávamos; começou a haver produção a mais aqui que seria valorizada além, se a conseguíssemos levar até lá. Então o melhor era trocar o que eu tinha a mais pelo que outros queriam e não tinham. Bom, bom mesmo, era não nos limitarmos à troca direta, mas ter algo que servisse de medida e acumulação de valor para fazer trocas indiretas no modo e no tempo. Podíamos acumular valor, riqueza. Chamemos-lhe moeda - são precisas etiquetas para tudo. Aliás, tal faz parte da chamada especialização. Fomos sendo cada vez mais especialistas nas competências de ocupação que temos, à qual chamamos profissão.

Evolução maravilhosa, extraordinária, singular, em qualquer ser vivo! Lembram-se? Assim podemos ter sonhos, anseios de vida!

No entanto a moeda, sim essa moeda, diz a sabedoria popular, tem sempre duas faces.

O profissional é o que tem competência - saber fazer, mas profissional também pode ser o que chamamos àquele ser frio, pouco ético, um concorrente devastador e desleal.

O profissional com competências e regras adquiridas em tenra idade que proporcionavam um modo de vida, sucedendo muitas vezes ao progenitor no mester, tinha a sua vida solucionada até ao fim. Agora as profissões, a minha especialização atual, pode ser-me inútil, sem valor, num futuro próximo.

Na cara da moeda chamada profissão temos o profissional ético, na coroa o profissional mercenário. A profissão também pode ser uma forma de exercer cidadania, de servir a sociedade.

E quando não podemos ou conseguimos exercer a nossa profissão, uma profissão, o que somos? E podemos ter anseios, sonhar?

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: