4.8.17

Hand-GerdAltmann (1).jpg

Foto: Hand – Gerd Altmann

 

Por vezes acontece um bloqueio face ao tema que é proposto e desta vez tal sucedeu. O significado de pesadelo é para mim demasiado lato para que tivesse conseguido, assim repentinamente, descortinar uma linha de orientação para o que fosse escrever. Assaltaram-me várias ideias, todas elas com um cariz negativo e, algumas, com uma nota vincadamente trágica.

Perder um filho. Pesadelo.

Perder a casa. Pesadelo.

Perder o emprego. Pesadelo.

Perder, perder, perder. De repente temos que o pesadelo já não toca no domínio do sonho. Dos monstros que nos perseguiam à noite e que nos obrigavam a esconder a cabeça debaixo dos lençóis e por vezes gritar pela mãe ou pelo pai.

Agora, para nós, outrora crianças, os pesadelos tornaram-se sérios. Demasiado sérios para passarem com o embalo carinhoso e um “Chiu, dorme bem meu amor. Foi só um sonho mau”.

 

Agora, que somos grandes, os pesadelos escaparam da noite. Quando surgem atacam indiscriminadamente e não olham a horas. Nem onde estamos, nem com quem estamos. Os monstros de outrora podem agora ser um chefe. Ou um colega de trabalho, um vizinho ou um familiar. Os monstros nunca foram O pesadelo, mas sim o instrumento do mesmo. Agora não é diferente.

O chefe que nos persegue. Pesadelo.

O vizinho que não nos dá descanso. Pesadelo.

O irmão que nos quer mal. Pesadelo.

Contudo, acredito que o instrumento mais recorrente do pesadelo tem o nosso rosto. Os rostos que chegam às consultas. Os rostos que anseiam por respostas a questões que, por vezes são mal colocadas. O pesadelo do descontrolo emocional. O pesadelo do abandono daquilo que já foram. O pesadelo do que outrora foi e que amanhã talvez possa já não existir. O pesadelo da culpabilidade. O pesadelo de não haver um rumo. O pesadelo de “não saber o que se passa comigo”.

Filhos, casas, empregos, chefes, vizinhos e familiares. Tudo são elementos externos. Não são o nosso núcleo, a nossa identidade, a verdadeira raiz da existência individual. Muitas das vezes perdem-se e perdem-se sem termos controlo sobre o acontecimento. Acontece o luto, a dor, o questionar, a revolta. Contra Deus, o chefe, o irmão ou o universo.

 

E quando nos viramos contra nós? E quando já não nos reconhecemos como somos? E quando já não gostamos do que vemos ao espelho? Enfim, quando somos nós o instrumento do nosso pesadelo?

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Agosto 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: