10.3.17

Martin-Luther-King-Skeeze.jpg

Foto: Martin-Luther-King - Skeeze

 

Grita-se por tudo e por nada e, literalmente, até podemos considerar uma forma de expressão. Pode-se viver a vida gritando como forma de se fazer notar, ou para impor-se autoritariamente. Não é um estilo, mas sim uma doença. É muito aborrecido ser-se invisível! Ir ao futebol e não gritar contra o árbitro é sinal de doença! Ir a uma manifestação e não gritar é quase o mesmo que não estar! Mas pensar nas grandes tragédias humanas no último século sem se revoltar é de uma grande ignorância.

Atualmente o Homem é marcado por acontecimentos para os quais se convoca a nossa atenção e, sobretudo, a nossa atitude. Pensar na guerra da Síria, no terrorismo, na fome, na doença e ficar indiferente é atroz. O homem está a deixar-se conduzir pelos egoísmos, pela xenofobia e pelo racismo, pela ameaça e intimidação, pelos apelos ao medo e à insegurança, pela injustiça. E consentimos aplaudindo. Não nos apercebemos que a seguir vêm os muros, as censuras, as violências, as exclusões, as prisões e, em última análise, as ditaduras.

 

Tornarmo-nos invisíveis perante os acontecimentos é tornar desumano o nosso comportamento e atitude face ao semelhante. Ter de deixar de ser politicamente correto, de deixar de ser condescendente com os abusos e falta de solidariedade, obriga a gritar, a berrar contra tudo o que aflige e incomoda o silêncio dos corações. Obriga a atuar, a existir e a abandonar o conforto e o comodismo do “sofá”.

Deixe-se de fingimentos, abandone a hipocrisia, cure-se dessa cegueira. Mude, mostre-se, discuta, grite, torne-se visível pelas causas nobres que nos afligem, nesta que é a nossa casa comum. Abandone o sofá e pense com Martin Luther King: “O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons”. E isto dói…

 

Fernando Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
22
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: