16.3.16

Hintergrund-KaiStachowiak.jpg

Foto: Hintergrund – Kai Stachowiak

 

Olho o reflexo do meu rosto sulcado pelo tempo, replicado nos vários pedaços do espelho caído. É como se a minha vida fragmentada estivesse representada naqueles pedaços: pedaços de alegrias, amores, conquistas, desilusões, tristezas, desamores, vitórias e derrotas.

O meu pai foi o primeiro a perceber que algo de errado se passava comigo, culpando a minha mãe disso. À medida que eu crescia ele ia percebendo que eu me distinguia do meu irmão, assemelhando-me mais da minha irmã. Eu abandonava as brincadeiras do meu irmão, um ano mais velho que eu, com os carrinhos e as pistolas. Ai como eu detestava brincar às guerras e às lutas! Deleitava-me sim, com as fantasias e brincadeiras mais tranquilas da minha irmã, dois anos mais velha. Partilhávamos os nossos sonhos e ambições personificando-os nas aventuras das “nossas” bonecas.

Sim, sofri, foi terrível ter que me confrontar com as transformações do meu corpo, este meu corpo trocado ao qual estava aprisionada. A voz subitamente tornou-se grave, as evidências fenotípicas masculinizadas foram se acentuando. Não reconhecia o meu eu neste corpo estranho de homem jovem. Eu era uma mulher, eu sentia-me uma mulher encarcerada num corpo masculino. Deprimi, despersonalizei-me, confundi-me, tentei fugir definitivamente deste corpo, libertar-me dele. Simultaneamente a esta luta desesperante por me encontrar, por me integrar neste corpo que me pertencia, mas eu não reconhecia, família e amigos afastaram-se, abandonaram-me. Não! Não fiquei totalmente só. A minha irmã, eterna companheira de aventuras, meu espelho de afetos, minha alma gémea, foi minha mãe, minha apoiante, mentora, minha reparadora de todos os meus pedaços quebrados.

Detenho-me nos fragmentos de espelho que refletem o meu olhar. É um olhar sereno, feliz, envolvido por um belo rosto feminino, contudo marcado por uma vida cheia e desafiante.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
23
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: