14.4.14

 

A contemplação do fogo acalma-nos, conduz-nos a um estado de hipnose que convida à reflexão, aplaca os nossos demónios e gera consensos. São marcas imemoriais gravadas nos genes, um legado dos nossos antepassados que viviam em cavernas, que no seu interior ficavam retidos por longos períodos de tempo e que tinham a fogueira por centro das suas vivências.

Lentamente, o fogo consumia a enorme raiz de oliveira e fazia-nos chegar um calor poderoso e envolvente. Vértice dos nossos olhares, a lareira do hotel autorizava o silêncio. Não havia entre nós qualquer ponto de contacto para além dos que decorriam das obrigações profissionais e na minha mente começaram a dançar palavras para o definir. Iam e vinham num rodopio que acompanhava o evoluir das chamas. De súbito, estabilizaram, formando um conjunto que me pareceu ajustado. Tosco, grosseiro, áspero, rude. BOÇAL. Boçal surgia em maiúsculas e assim me parecia que deveria ser. BOÇAL. Boçal em letras de fogo, maiúsculas, encaixilhadas pelo granito da lareira.  

- A minha família era muito pobre. Miserável. Dormíamos em velhos colchões de folhelho e nos dias rigorosos de inverno, quando o frio era tal que me impedia de dormir, eu ia deitar-me junto da nossa vaca. Mas mesmo nesses dias em que o vento trespassava as pedras nuas da casa, logo que o dia raiava, a minha mãe, único adulto da família, vinha junto a mim lembrar-me que era preciso apanhar a erva para os animais. E lá ia eu, pequeno e frágil, tiritando de frio e a cambalear de sono, descalço, segurando a foucinha numa mão e esfregando os olhos com a outra. Terminada a cega, calçava os socos e ia para a escola. Lembro-me, como se fosse hoje, do último gesto antes de entrar na aula: usava as mangas da minha jaqueta, dos ombros até aos punhos, para limpar o ranho que me escorria até à boca. E lembro-me de não ter forças para correr ou saltar, nem ter vontade de o fazer. De olhar para um pião ou para um arco e uma gancheta e os achar objetos estúpidos, inúteis, sem sentido. E lembro-me de ter fome e da dor que a fome me causava.

As chamas da lareira tornaram-se difusas e cada vez mais distantes. Um frio fino e cortante atravessou o meu corpo e eu senti-me desconfortável. E frágil. Os nossos olhares encontraram-se e assim ficaram por alguns momentos, num daqueles raros instantes em que duas pessoas se sentem completamente ligadas mas sós no mundo.

- Sabe, eu nunca fui criança.

 

José Quelhas Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: