27.3.15

SamoraMachel.jpg

 

Desde muito cedo ficaram bem cravados em nossas memórias os mais básicos pilares sobre o profissionalismo, incutido pelos nossos progenitores, estes que reconhecendo as dificuldades de então, projetavam uma realidade futura ainda rigorosa, um contexto mais competitivo em que o trabalho e competência seriam os valores mores para o sucesso dos Homens. Aos homens, em particular, dísticos envergando a humildade, honestidade, trabalho árduo e formação científica, eram as figuras transmitidas com eloquência para tipificar os valores que dignificariam o homem do amanhã.

Aquela sociedade marcada por um contexto misto enriquecido pela transição do sistema colonial para o despertar do nacionalismo imposto pela independência, a postura e comportamento do Presidente Samora Moisés Machel através de discursos (léxico e linguagem corporal) e ações governativas e de liderança, foram os primeiros valores de construção de uma sociedade que envergasse os valores mais nobres, quiçá a opção pelo socialismo como a doutrina melhor posicionada para resgatar valores que permitissem uma melhor organização política e produtiva do país rumo ao almejado desenvolvimento, com ênfase no homem, ou simplesmente, desenvolvimento humano, daí a diligência relativamente ao setor dos serviços sociais.

A profissão é o ofício da pessoa, a sua honra e dignidade residem na capacidade de trabalhar, transformar os recursos a sua volta, promover a qualidade de vida aos membros da sua comunidade espalhados do seu posto de trabalho à sua convivência familiar, propagando assim boas práticas. É dali que se reconhecem e se destacam as pessoas pelo seu perfil e sobretudo pelo brio profissional. O valor de um profissional está na qualidade da sua prestação que deixa uma marca, um selo que o distingue dos outros que eventualmente possam, sempre que for possível estabelecer essa difícil mas tentadora comparação, fazer o mesmo trabalho da melhor ou pior forma, seguramente é raro que sejam iguais.

O profissionalismo é uma questão de cultura de trabalho, um conceito arrojado que encerra um conjunto de qualidades intrínsecas ao indivíduo, rico ou pobre, humilde e trabalhador que do trabalho depende para reclamar os rendimentos que por direito obterá para o seu sustento. Para lográ-lo é invariável o sacrifício de interesses pessoais à custa dos interesses coletivos, estes que se elevam aos primeiros quando o cidadão está na posição de servidor público. A profissionalização do trabalhador, independentemente do setor em que se insere, fundamentalmente o do setor público, encontra inspiração na cultura de trabalho patente nessa sociedade e da liderança em particular.

Um verdadeiro profissional sabe que o atendimento às necessidades e desejos do cidadão, este que é o seu patrão, é a razão primordial de ter sido confiado tal posição. O interesse pessoal prevalece mas não pode abafar o objetivo geral, há necessidade de compatibilizar estes dois interesses que podem antagonizar e rivalizar pondo em perigo o seu desempenho e manchando o seu profissionalismo quando não houver atenção a este iminente conflito.

O parágrafo anterior salienta a ideia a reter do conflito entre os objetivos pessoais e organizacionais do trabalhador, na sustentabilidade a longo prazo da organização que pertencem. Conquanto o interesse fundamental do trabalhador é obter os benefícios diretos a que tem direito pelo exercício da função, à organização interessa construir uma reputação que passa por desenvolver uma cultura organizacional que potencialize os pontos fortes dos trabalhadores e absorva os seus pontos fracos favorecendo o clima organizacional, para garantir a continuidade da organização e um padrão de produtos e serviços estáveis que não perigue a identidade organizacional.

Existe uma crescente convicção sobre a desvalorização ou deterioração da cultura de trabalho assente nas atitudes prejudiciais dos profissionais que revelam pouca assertividade e comprometimento com os resultados, colocando antes destes as contrapartidas ou seus benefícios em alta fasquia, criando-se uma sensação de desconfiança ou desconforto relativamente à real capacidade de alcançar os resultados.

A aparente personificação e arbitrariedade na formação do orçamento ignorando as regras elementares nomeadamente a proporção do custo de mão-de-obra versus do material, martelando fria e secamente para que o valor final se encaixe ao semblante do cliente, aquilo a que em linguagem económica encontraria similaridade as práticas especulativas na forma de dumping ou overprice, é uma das muitas más práticas que se acentuam em momentos de crise.

A competição negativa é outra atitude antiprofissional que pode prejudicar a organização, outrora poderia induzir ou fomentar a competitividade intraorganizacional. A esse respeito, se se estabelecer um plano de carreira e progressão devidamente estabelecido e amplamente conhecido com critérios claros de avaliação de desempenho, haverá condições para induzir a concorrência perfeita com todos os benefícios que comporta, nomeadamente a promoção da produtividade e eficiência.

Um sistema de desempenho integrado e orientado aos resultados deve incentivar a criatividade e inovação, complementado por um eficiente sistema de base de monitoria e controlo de desempenho, componente-chave do sistema de controlo interno.

 

António Sendi

 

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: