6.3.17

Robin-NathanOwen-Price.jpg

Foto: Robin – Nathan Owen-Price

 

Grito. Antes mesmo de compreender, grito:

- Meu primeiro impulso reativo, minha ancestral defesa. Meu instinto original, herdado em sangue. Meu pecado inocente, meu refrigério.

- Meu aviso de guerra, minha fúria dilacerada. Manifesto de horror, garganta ardendo em sedição. Minha raiva acumulada dilacerando decibéis.

- Meu vício de prazer, minha loucura. Meu urro de vitória anunciada. Salva de estridências e de júbilos erguendo-se no céu despreparado.

- Meu canto de cisne, minha alvorada. Cântico longilíneo sobre a terra. Meu espinho bíblico, minha aflição. Meu voo já sem forças de partir – minha cruz primordial.

 

Eu garanto: só tinha a intenção de, em jeito de preâmbulo, reportar-me à definição da palavra “grito”, e, daí, esperar partir para algo que validasse o meu artigo (por sinal já em atraso) do mês de Fevereiro. Mas, como quase sempre me acontece, a palavra decompôs-se-me em frases que me transportam os dedos numa viagem sem hora de regresso – sim, porque as palavras são como as paisagens, atingem-nos, abraçam-nos, marcam-nos... seduzem-nos. As linhas de horizonte são infinitas, atrás de um monte vem outro monte, atrás de uma imagem, vem outra, e outra, e outra...

 

E o meu grito, aquele que, enfim, me calha como breve apeadeiro, nasce magma vivo contorcendo-se no meu papel, cala em si um sinónimo de angústia – reconheço-o, é um grito de Dor. Transporta em si torrentes de sentimento: é rio indomável, nada sobrevive em si, ele sobrevive em tudo, nada lhe serve de margem, ele é a própria margem. E acarta estilhaços de alma na corrente, não como flutuantes pedaços de madeira, mas como bracejos de velas, lutando para não naufragar. A pulso, sobe, cresce para mim, agiganta-se. Raia de púrpura os ocidentes, asfixia horizontes, esgazeia os olhares que encontra, rasga gargantas. E solta-se, enfim, em estridor de foz e expiação.

Sobe ainda, vertiginoso, em decibéis de asas feridas, descobre-se em liberdade, perde-se no vazio... e desce aos infernos, em ecos de grutas petrificadas pela indiferença (os seus muros de lamentações já se habituaram aos voos sinistros de sombras vampíricas).

Cai, por fim, sob o silêncio de um crepúsculo avermelhado. As estrelas que chegam, acusam o estertor ribombante do seu último suspiro e tremem, como as minhas mãos de memórias vivas.

A noite dobra-se sobre si mesma, veste-se de luto – o grito morreu!

 

Mas amanhã... amanhã a aurora vai ser cor de rosa e pássaros novos irão aprender gorjeios de uma sinfonia que reinventarei – as palavras são música, também, se quisermos… e a Vida continua. Sempre. Apesar de todos os gritos.

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
22
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: