2.1.15

JovensDoMundo.jpg

 

Historicamente o termo estigma, criado na Antiga Grécia, refere-se a marcas físicas aplicadas no corpo, com as quais se pretendia evidenciar alguma coisa negativa sobre o estatuto moral de quem as possuía. Goffman (1988) diz-nos que estas marcas eram feitas com cortes ou com fogo e atestavam que o portador era escravo, criminoso ou traidor, indicando grupos excluídos socialmente com um status social desfavorecido e “avisavam” a existência de um escravo, de um criminoso, de uma pessoa cujo contacto deveria ser evitado.

Atualmente o termo estigma é usado com o sentido original, porém, de uma forma mais ampla, marcando a própria existência de uma forma pejorativa. É uma combinação de opiniões estereotipadas, atitudes prejudiciais e comportamentos discriminatórios em relação a outros grupos, resultando na redução de oportunidades de vida para aqueles que são desvalorizados.

Goffman (1988) explica que a sociedade estabelece os meios de categorizar as pessoas, ao mesmo tempo que determina quais os atributos considerados comuns e naturais para os membros de cada uma dessas categorias, formando ambientes sociais que determinam as categorias das pessoas a eles pertencentes. Quando um estranho é apresentado a essas pessoas, podem surgir evidências de que ele tem um atributo ou característica que o torna diferente (estigma) que constitui uma discrepância entre a identidade social virtual e a identidade social real, deixando de se considerar um elemento comum para ser considerado uma pessoa diminuída. Embora o estranho possa apresentar atributos diferentes, o termo estigma só é usado para referir um atributo profundamente negativo, depreciativo.

Ainda Goffman (1988) categoriza o estigma em três grupos: i) as abominações do corpo - as várias deformidades físicas; ii) os defeitos de carácter individual (entendidos como vontade fraca, crenças falsas e rígidas, desonestidade, doença mental, prisão, vício, alcoolismo, homossexualidade, desemprego, tentativas de suicídio e comportamento político radical) e; iii) os estigmas tribais de raça, nação e religião. Todos estes atributos são uma caraterística diferente e podem impor-se à atenção e afastar ou destruir a possibilidade de dirigir a mesma atenção para outros atributos.

Atitudes negativas dirigidas a algumas (muitas) pessoas são muito comuns e constituem a maior barreira ao contacto e convívio sociais.

Mas…

Todos os dias me encontro com pessoas cuja vida tem uma “banda sonora diferente”. A banda sonora é, com certeza, também diferente da minha. O que nos une é o facto de sermos humanos; humanos com marcas diferentes. A diferença (marca) é “apenas” a riqueza do nosso mundo!

 

Ermelinda Macedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Miriam Pacheco

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: