15.9.14

 

“O melhor presente que um pai pode oferecer ao seu filho, é educação”, terei ouvido há bastantes anos atrás e nessa altura duvidei do seu alcance, não pela idoneidade do emissor, mas sim pela força circunstancial, minha ignorância, limitação concetual e até mesmo ingenuidade. Nos dias que correm, percebo a importância deste investimento estratégico para a humanidade. Esta informação, vinda de forma fria, erudita e segura, soou mais a um conselho do que a uma repreensão ou castigo. Como duvidar desta velha máxima se, mais tarde vim a saber que a autoria deste pensamento é atribuída ao maior defensor do satyagraha, ativista indiano e pensador Mahatma Gandhi?

Na altura obedeci e conservei esta orientação estratégica, a par de tantas outras que a complementavam e cedo pude perceber o alcance desta mensagem, a intenção e exigência contratual implícita a este quadro, como condição suficiente e necessária para se manter um equilíbrio social são entre ambos.

“Se alguém está hoje sentado à sombra de uma árvore, é porque alguém, tempos atrás, plantou a árvore ali”, Warren Buffett, notável e erudito investidor financeiro, salienta a eficácia da educação como um sacrifício que proporciona rendimentos equivalentes e superiores a longo prazo. Educar é o processo de transmitir os valores absorvidos ao mundo em seu redor, para os seres animados e inanimados, a forma como contemplamos e cuidamos de nós, do nosso semelhante, dos seres vivos em geral e da natureza, num ato contínuo do exercício da cidadania, em cumprimento da nossa obrigação moral de dar em troca ao mundo aquilo que dele recebemos. Só dessa forma estaremos a contribuir para a criação de riqueza social perpétua, mutuamente vantajosa, num exercício de empreendedorismo social (assistência + lucro), num vasto movimento altruísta e solidário de emancipação da nossa cidadania. Afinal, quando educamos aprendemos ao dobro e o feedback torna-nos homens novos, preparados para os desafios do amanhã, quebramos as barreiras da aprendizagem e o status quo.

Posicionando-se como um dos pilares sociais críticos de edificação de uma sociedade próspera, a par da saúde, a educação joga papel relevante na formação do Homem, sobretudo na disseminação de valores e atributos como sejam know-how, know-why, saber ser, saber estar e acima de tudo saber reconhecer que nada sabe e que o conhecimento é infinito e linguagem universal da verdade.

Todos nós partimos involuntariamente de um estado bruto, mais a nossa predisposição para a socialização, onde recebemos valores de um conjunto de pessoas e experiências adquiridas em diversos contextos que nos interpelam ao longo da vida. Dependendo da atratividade e destino de cada um, os valores são discriminadamente direcionados do lado da oferta ou da procura, resultando em marcas profundas e distintas, daí a diversidade acentuada entre as pessoas que é catalisada pelas influências que elas sofrem, tornando-as elemento único.

O poder da educação, exercido através da comunicação e exteriorização de suas ideias, é uma das ferramentas mais importantes para a socialização num mundo cada vez mais globalizado e industrializado, um verdadeiro passaporte com visto tácito para inserção em qualquer geografia.

No plano mais arrojado, posiciona-se a educação plena, que é uma mescla de conteúdos religiosos, científicos, filosóficos e sagacidade, distribuídos funcionalmente com ponderações distintas consoante a matriz relacional dos fatores do lado do educador e educando. Este conforto permite, para além de ser portador de um certificado de formação, adquirir um estatuto de role model, um líder sem título, inspirador e disseminador de boas práticas.

Em contraposição destaca-se, pela negativa, a figura de presente envenenado: um sistema de educação parco em valores ideológicos, sem estímulos para a criatividade e autodescoberta, com recompensas desproporcionais ao mérito, que impedem o espírito empreendedor e a descoberta do mundo novo, excessivo protecionismo e concessão de subsídios que negligenciam as fragilidades internas e capacidade de autocontrolo e sustentabilidade a longo prazo. Estes vícios podem defraudar todos os esforços que possam estar a ser encetados com vista à construção e consolidação de uma sociedade de conhecimento.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: