14.10.16

Abstract-ElenaArboledaSalas.jpg

Foto: Abstract – Elena Arboleda Salas

 

Ele foi escritor, antropólogo, dramaturgo e encenador, para além de outras atividades de grande relevo social e artístico. Em todas as atividades que desenvolveu no campo da cultura e da arte foi sempre um ativista. Foi um ativista social e político. Muito escreveu sobre os mais diversos temas; muitas peças criou e muitas delas ele próprio pôs em cena. Por isso, o seu vasto património literário e artístico era de uma riqueza impar, não só pelo seu valor intrínseco, mas, sobretudo por aquilo que representava para a sociedade, enquanto património coletivo. Tudo o que criou, desenvolveu, divulgou e expôs com tanta modéstia, como era seu timbre, conservou nos espaços físicos por onde passou e nos “arquivos” das suas memórias. O acervo de todos esses bens não ficou indiferente a familiares e a gente próxima que com ele conviveu. Após a sua morte, o espólio de todos os seus bens passou a ser muito cobiçado, pois dele faziam parte miríades de objetos, fruto da sua criação artística e dos seus trabalhos literários, com inequívoco interesse cultural e artístico. Apenas deixou como única herdeira a sua mulher, pessoa com idade já muito avançada, que não tinha a verdadeira noção de quanto representava e valia a herança do marido, enquanto património imaterial da humanidade, de inegável interesse artístico e cultural, para a sociedade em geral e seus vindouros. A sua herança teria assim uma função de perpetuar a sua memória, de nos transmitir a sua ideia universalista do Mundo e da época em que viveu, de modo a que sua obra figurasse “ad aeternum” na galeria dos notáveis e inesquecíveis. Contudo, após a sua morte, surgiu a “gula” dos seus pseudo amigos e até de alguns familiares, a rodear a viúva de muitas atenções e falsos carinhos com o único objetivo de serem contemplados com um ou outro bem. Até poderia ser legítimo o desejo de pretenderem adquirir algo do falecido, de adquirirem um ou outro objeto que refletisse e simbolizasse memórias passadas com ele, se não existisse, porventura, um exclusivo e puro interesse material. Mas tal interesse logo deixa de ser legítimo, a nosso ver, a partir do momento em que a própria sociedade é afetada, preterida por um mero interesse individual de cariz material, que se sobrepõe à grandeza do desiderato universal que era de tornar a obra imortal. Distribuído o acervo dos bens, “partido” todo o conteúdo da herança, que se destinava a realizar o desejo do seu autor, cujo objetivo não era, seguramente, saciar a “gula” de alguns, perde-se, irreversivelmente, esse património coletivo e imaterial para a humanidade. Pena não se cumprir esse imenso e nobre ideal do seu autor!

 

José Azevedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: