21.7.17

Woman-Pexels.jpg

Foto: Woman - Pexels

 

As coisas terrivelmente más nunca nos acontecem, são coisas de filme, ou daqueles livros cheios de tentáculos por dentro, que saltam das páginas, se agarram à nossa garganta e nos sugam todo o ar, até que a palavra “FIM” nos resgate (do prazer) do sufoco. E nós, esgotada a adrenalina do suspense e da emoção extrema, voltamos lentamente ao mundo real, ao mundo seguro, à nossa vidinha de trazer por casa.

É claro que a nossa vidinha de trazer por casa também tem lá as suas tragédias, tramoias e sobressaltos. Claro que tem – ah, se tem! Mas, como diz o outro, haja saudinha! A gente vê, por esse mundo afora, problemas tão maiores que os nossos! Longe, tão longe de nós. Mesmo que seja na casa da vizinha.

A verdade é que nunca estamos preparados para o pior. Nunca. É instintiva e natural, essa íntima e falsa certeza de que nos armamos, em legítima defesa. Estratégia de sobrevivência, com certeza. Esperança. Fé. Ou, simplesmente, distração calculada.

 

Mas uma coisa de que não nos conseguimos livrar, é de, de vez em quando, ter pesadelos. Dormindo, baixamos guardas, distraímo-nos por cansaço e, de repente, tropeçamos num pesadelo. Daqueles. Dos piores. Dos que nos saltam à garganta, nos gelam por dentro, nos certificam seres frágeis, nos destroem todas as forças e nos fazem querer... ia dizer “morrer” – mas não, vou dizer “acordar”. Olhamos em volta e pensamos: “Isto não está a acontecer-me... isto só acontece aos outros, não a mim. E mesmo quando acontece aos outros, é longe, muito longe de mim. Como é possível?... Não, não é verdade, até porque esta dor que sinto é humanamente insuportável. Não se sobrevive a ela. Não. É um pesadelo. Horrível. Amanhã, quando acordar, nem sequer quero ter memória dele, porque tenho a sensação que, nem contado, nem lembrado, isto seja coisa a que seja possível “sobreviver.”

Espera-se a manhã até a dor da alma passar ao corpo, ou a dor do corpo passar à alma, conforme o pesadelo. E a manhã não chega. Toma-se um sonífero, meia dúzia, para voltar a dormir, para voltar ao sonho, para fazer rewind, desmantelar a cena, redirecionar todo o enredo. Mas nada. Nada: acorda-se para dentro do mesmo pesadelo, agora ainda mais negro, mais arrasador. E todo o nosso corpo a negar ter forças para o aguentar. E, com o nosso já pouco discernimento, só podemos continuar a afirmar veementemente, por puro instinto de sobrevivência, que tamanho horror só acontece aos outros, muito, muito longe de nós. Ou... em pesadelos. Ou em pesadelos, claro. “Isto é um pesadelo. Daqui a pouco acordo e não é nada.” (sorriso frio, perdido dos olhos) “Acordem-me!”.

 

Devagarinho, acabamos por acordar. Não é um processo fácil, não é um processo inócuo, mas acordamos. Dali a meses, anos, vidas. Mas acordamos.

O tempo é, na verdade, o outro significado da palavra esperança. Mas a palavra pesadelo, perderá, para sempre, o significado de sonho.

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: