18.12.15

HalloweenVampire-GeorgeHodan.jpg

Foto: Halloween Vampire - George Hodan

 

Tudo começa quando reparamos que, no meio do silêncio escuro do quarto, há a possibilidade de haver monstros debaixo da cama. Ou então, de haver bandidos a observar-nos e à espera de uma oportunidade para nos atacar. Por vezes ouvimos passos, outras vezes vemos vultos. Mais tarde, esses monstros tornar-se-ão bem mais reais e esconder-se-ão em sítios bem menos prováveis.

Assim nasce uma das ferramentas mais importantes na garantia da nossa sobrevivência: o medo.

 

De facto, se não tivéssemos medo de nada, se não nos sentíssemos ameaçados, nunca teríamos a suficiente motivação para agirmos. Não basta termos objetivos e empenharmos esforços em alcançá-los. É preciso também fugir, sabermos o que não queremos, de todo, para nós, ou para os nossos e empenharmo-nos nessa fuga.

Mas uma coisa é o medo adaptativo, outra é o medo inútil. E deste está o mundo cheio. Por exemplo, quando os pais educam os seus filhos usando de um estilo permissivo, aceitando as falhas e desvalorizando as consequências disciplinares que delas advêm, estão a confundir tolerância com o medo de não serem amados e respeitados pelos filhos. Quando paira sobre nós a constante ameaça de um ataque terrorista eminente, estamos a favorecer um clima de crescente desconfiança sobre tudo aquilo que é diferente, como se a diferença fosse sempre (ou, pelo menos, cada vez mais) perigosa. Quando não dizemos o que sentimos, julgando que a liberdade de expressão não é, afinal, lá grande liberdade, estamos a criar a oportunidade para sermos mais e mais manipulados. Quando nos agarramos com unhas e dentes ao mais miserável dos empregos como se de uma tábua de salvação se tratasse, numa economia debilitada, estamos a validar a ideia de que fazemos parte dessa miséria.

 

Vivemos tempos de medo, uns genuínos, porque fazem parte da sobrevivência diária, outros implantados, porque dão jeito à organização das massas. Vivemos hoje assim, mas, se virmos bem, desde que as pessoas se organizaram em sociedades, vivemos sempre com medo. O medo é uma consequência da ansiedade de perdermos algo. E só não temos nada a perder quando estamos sozinhos. Porque este é o mais temível dos medos. A solidão é uma fera que nos come por dentro, que nos transforma em bichos selvagens. E uma vez bicho, não há medo que nos afete.

 

Joel Cunha

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: