30.9.15

MacroDragonfly-PetrKratochvil.jpg

Foto: Macro Dragonfly – Petr Kratochvil

 

Abri a caixa esquecida num recanto da sala e descobri a antiga máquina fotográfica com que o pai registava os momentos importantes da família. Peguei nela e rodo a sua objetiva, comecei a focar a sala. A objetiva parou numa pequena foto pendurada na parede. Fiz uma focagem meticulosa e apercebi-me que era uma foto minha, de adolescente. Nunca tinha reparado naquela foto ao longo dos anos. E ela esteve sempre ali, pendurada, à vista de todos. Foi preciso focá-la com a máquina fotográfica para reparar nela e tomar consciência que ela existiu sempre ali.

Intrigou-me como não temos consciência das coisas, das situações que vivemos, apesar de tudo se passar em frente a nós. Olhamos, mas não vemos. Não é um olhar qualquer! É um olhar com atenção, com curiosidade e intenção que nos faz ver, nos faz focar e aí sim, reparamos, vemos e tomamos consciência. Fiquei consciente que para se ter consciência da realidade é preciso olhar para ela com atenção, focar cada detalhe e compreender o significado de cada um deles.

Como tudo seria mais fácil se eu tivesse consciência de todos os momentos da minha vida, consciência de mim, de quem sou, de como sou! Mas para isso eu precisaria de ter sempre o foco virado para mim e para o que se passa à minha volta. Se os meus olhos pudessem rodar e focar para dentro de mim, eu seria conhecedora de todas as transformações que se operam no meu interior. Lembrei-me das libelinhas que têm uma visão de 360º, conseguindo ver tudo o que se passa à sua volta.

Criei para mim o desafio libelinha! Todas as noites, antes de dormir, passei a focar com atenção todos os acontecimentos desse dia, observando-os em detalhe, analisando-os com curiosidade, esforçando-me por compreender o significado de cada acontecimento. Como num ritual diário, passei a observar o que cada acontecimento do dia desencadeava em mim e comecei a ter consciência do que sentia dentro de mim. Com o tempo fui percebendo que me tornei mais confiante e verdadeira comigo mesma. Com o olhar de libelinha, passei a conhecer-me melhor, a ter plena consciência de quem sou, do que sinto e do que quero para mim. Percebi que ser consciente é estar atento, é ter uma atenção focada e observar para compreender.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

28.9.15

GunOnGround-RakiHalder.jpg

Foto: Gun On Ground – Raki Halder

 

- Mata-o! Mata-o, ou serás tu a morrer! Mata-o, traidor! Ele é tão traidor como tu e por isso merece morrer! Se não for ele serás tu, verme miserável! Achas que ele te poupará quando eu lhe colocar a pistola na mão?! Achas que ele continua a ser teu amigo?! – gritou o capitão junto da orelha de M. e, de seguida, pousou-lhe a pistola sobre mão direita, aberta, dorida, ensanguentada, sobre a coxa, exausta.

 

M. conseguiu olhar R. pelas pequenas frestas que dolorosamente abriu por entre as pálpebras inchadas. Olhou R. e imaginou-o um espelho, devolvendo-lhe a provável imagem de si mesmo. Corpo magro de meses sem uma refeição capaz nem um sono tranquilo, dobrado sobre si mesmo, sentado numa cadeira, contorcido, roupas rasgadas e empapadas em sangue, descalço, pele escurecida pelo sangue seco e pela sujidade arrancada ao chão. No lugar da cara uma área tumefacta, disforme, vermelha.

 

O capitão recuou, colou-se à parede junto a um dos soldados que, segurando as armas, preveniam algum imprevisto. Aproveitou o tempo que dera a M. para que decidisse matar ou morrer, para descansar um pouco. Estava há já duas horas ali, a bater-lhes, a torturá-los, a quebrá-los como eles mereciam pela sua condição de vermes, de traidores, de estalinistas. Tentou respirar profundamente, procurou acalmar-se.

 

Pela cabeça de M. passou rápido o filme de uma boa parte da sua vida, aquela maior parte em que ele e R. foram amigos. Desde o primeiro dia de escola, os pais, as borgas, as namoradas, os casamentos, os filhos, a guerra. Sempre a guerra, inevitável, a marcar os tempos, a marcar os homens, como se fosse uma necessidade básica junto com respirar, dormir ou comer. Lutaram juntos contra os alemães. E agora estavam ali, em Goli Otok, porque o marechal Tito resolveu mudar de amizades, decidiu impor-se. Sabia que aquela história só poderia acabar mal, que o capitão faria com que pelo menos um deles morresse. Naqueles meses tinha entendido como era colocada em prática a “correcção moral”: pais a matarem filhos, filhos a matarem pais, irmãos a matarem irmãos, amigos a matarem amigos, como teste ao seu arrependimento, como prova de que tinham sido quebrados. A reeducação consistia em liquidar toda a dignidade e toda a humanidade aos traidores corrigidos. E agora era a vez dele e do seu querido R..

 

O corpo de R. não aguentava mais pancada. O seu ser também não. R. sabia ser bem mais fraco do que M. e pensou o que faria se M. vacilasse, se o capitão fizesse aquilo que disse, se colocasse a pistola na sua mão. Dispararia sobre si próprio, sem hesitações, acabaria com aquela tortura e salvaria o seu querido M., ali e para o resto da sua vida que desejava fosse muito longa e sem culpa. R. sabia que nunca suportaria viver com a culpa de ter matado M., mesmo naquelas circunstâncias, mesmo no limite da sobrevivência. Antes a morte.

 

O capitão fechara os olhos e assim evadira-se daquelas paredes, daqueles muros, daquela ilha maldita. Estava há um mês sem ir a casa, tantos eram os traidores, assim o coronel lho exigia. Estava exausto. Desejou, como nunca acontecera antes, o calor e o perfume dos braços da sua amada F..

 

M. apertou a mão e sentiu o conforto frio do corpo metálico da pistola. Olhou para R. que permanecia imóvel, como se estivesse já morto. Sabia que o seu amigo era mais fraco. Procurou fixar-se nessa diferença. Esta decisão era o exercício mais requintado da tortura que o capitão lhe infligira, o maior desafio à imaginação. O instinto vital impelia M. a disparar sobre R. e assim sobreviver, acreditando que o capitão o deixaria partir já na condição de corrigido moral. Mas como seria o depois? Como viveria o resto dos seus dias corroído pela culpa? E se nada fizesse, permitindo que o capitão invertesse o jogo, como jogaria R.? Ao empurrar para R. a segunda jogada, deixaria ao seu amigo apenas a hipótese de disparar e matá-lo. E então como seria o depois, como lidaria R. com a culpa da sua morte? M. sabia que R. não aguentaria, que sucumbiria destroçado.

 

O capitão regressou lentamente. Abriu os olhos e tudo continuava imóvel como se o tempo tivesse parado.

- Porra para estes sacanas traidores! – ralhou para dentro de si, aproveitando o impulso para se arrancar à parede que sentia reconfortante como uma cama com lençóis de seda. Aproximou-se de M. e gritou:

- Mata-o, sacana! Mata-o, ou morres! Despacha-te! Tenho mais coisas para fazer!

 

T. recebeu, acarinhou e cuidou de M., quando ele, três dias depois, regressou a casa. Amou-o ainda mais do que antes.

 

L. chorou e doeu-se pela perda e pela saudade de R.. Contida a dor, feita a saudade companheira fiel, retomou a sua vida, mas continuou a chorar. Chorava, não por ódio, não por desejo de vingança, mas pela pena que sentia de M. e de T., pela cruz que eles arrastariam por toda a vida. Sabia que M. fizera a escolha mais difícil e estava-lhe agradecida.

 

Desde que M. levantou aquela arma, até ao instante em que partiu, dezasseis anos passados e completamente quebrado pela culpa, da sua boca não saiu uma única palavra.

 

L. chorou e sentiu compaixão. Compaixão pelo destino de M., compaixão pelo instante em que ele fez uma escolha, podendo ter feito outra.

 

T. continuou a amar M..

 

Nota: Texto inspirado em “Anima Mundi” de Susanna Tamaro.

 

Fernando Couto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

27.9.15

GoldenGateBridge-NicolasRaymond.jpg

Foto: Golden Gate Bridge – Nicolas Raymond

 

O mundo é mudança; a vida é-o também. Talvez chegue o dia em que o nosso espaço pareça tão perfeito que suplicamos em sussurro para que tudo assim permaneça; para que o vento não sopre com demasiada força e para que as corrente marítimas não despertem em fúria – e deste modo em silêncio desejamos que o nosso pequeno universo nunca fuja daquele ténue e frágil equilíbrio. Ora, eu diria que talvez ninguém corra mais perigo do que os que temem a mudança, pois ela existe. Inevitavelmente, a cada dia a terra gira e, tal como cada sistema em harmonia que em nosso redor se move, tal como nós próprios e cada parte do nosso ser, só em dinamismo constante se sustenta em equilíbrio. A constante mudança alimenta o mundo; a constante mudança alimenta a vida.

No entanto, parece que tendemos a só atribuir este excecional valor à mudança quando julgamos que tudo em nossa volta colide e o nosso ânimo e alegria são subtilmente sugados por qualquer força invisível. Desejamos a mudança, mas, porque o mundo então se mostra igual a cada dia, eventualmente desistimos do próprio desejo. Mas a mudança é real e inevitável, e daí brota o conceito de esperança – a faculdade da entrega eterna à busca pela felicidade.

O que é que acontece quando o desespero é tal que a esperança por algo melhor se torna demasiado dolorosa? O que é que acontece quando a esperança morre de todo, quando o mundo não muda e a dor se torna insuportável? O que é que acontece quando a espera por um novo amanhã se mostra vã, quando a vida perde o sentido e se afigura de uma morte presa ao corpo? Há, então, quem desista do sofrimento da luta e decida acabar de vez com tudo. Contudo, uma escolha desesperada não é necessariamente um querer verdadeiro. De todos aqueles que saltam da Golden Gate Bridge, em São Francisco (a ponte mais procurada para tentativas de suicídio em todo o mundo), pouquíssimos sobrevivem. Esses pouquíssimos tendem a dizer-nos, todavia, que se arrependeram do salto no momento em que lançaram o corpo para aquele frio irreversível infinito.

Num romance de Saramago, a certa altura, pode ler-se: “Compreendeu que pela primeira vez na sua vida duvidava do sentido do mundo, e, como quem renuncia a uma última esperança, disse em voz alta, Vou morrer aqui. (…) estas palavras poderiam, sem dor nem lágrimas, abrir-nos, por si sós, a porta por onde se sai do mundo dos vivos, mas o geral dos homens padece de instabilidade emocional, uma alta nuvem o distrai, uma aranha tecendo a sua teia, um cão que persegue uma borboleta, (…) ou algo ainda mais simples, do próprio corpo, como sentir uma comichão na cara e coçá-la, e depois perguntar-se, Em que estava eu a pensar.”

Alguém que viva sob o desespero constante e abafando um grito pela morte poderá não se distrair tão facilmente. Porém, o mundo é vasto e a mente imensamente complexa; haverá certamente algo que suscite ainda que um efémero sorriso ou uma gota de curiosidade em cada um. E se esse algo não estiver à vista, a esperança deverá permanecer, pois a mudança, arrisco-me a dizê-lo, será para sempre inevitável.

De resto, diria que quem experimenta o caminho do suicídio perde o olhar ao valor da própria vida. E se o valor mais alto em nós não passa no fundo de nós próprios, valerá bastante, em prol do outro, pôr o eu num pequeno descanso e ver quem, por ajuda, mudamente apela. Valerá bastante ouvir, pois na sociedade destes dias o tempo para isso foge; valerá escutar e assim abrandar o tempo por alguém. Quem desiste de si próprio poderá sentir que já desapareceu, e então um aceno sem juízo e um momento de atenção plena podem ser a esperança de um mundo, ou mais um sopro numa vida.

 

Isabel Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

25.9.15

Manguito.jpg

 

Minha alma é uma orquestra oculta; não sei que instrumentos tangem e rangem, cordas e harpas, tímbales e tambores, dentro de mim. Só me conheço como sinfonia.

Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

 

A Consciência, é o quê?

Dizem-me que já estive sem ela e deve ser verdade porque há seis dias na minha vida que, para mim, não existem. Ou por outro lado, pelas consequências que tiveram tenho a certeza que infelizmente existiram. Se fosse só pelos relatos, orais e escritos, duvidaria até hoje. Mas não, o meu corpo e a minha mente repetem-me constantemente e implacavelmente que sim, que embora “Eu” não estivesse lá, estava. Depois seguiram-se mais seis dias em que, na maioria das opiniões dos outros, terei continuado sem consciência, porque estados de coma, ainda que induzidos e de sedação profunda, levam-nos daqui para fora.

Diz o magnífico António Damásio, no seu Livro da Consciência, que a consciência é um estado mental em que temos conhecimento da nossa existência e da existência daquilo que nos rodeia. E, se bem o entendi, nem a dormir temos consciência. A consciência, continua Damásio, é o estado mental particular que inclui o conhecimento de que a dita existência ocupa uma certa situação. Antes que alguém adormeça de tédio, perdendo portanto a consciência, vou parar de citar autores brilhantes e de repetir incessantemente a palavra “consciência”, está bem?

 

Com tudo isto queria chegar apenas ao que sinto e ao que penso, depois de um hiato na minha existência (se estamos inconscientes, estamos vivos?). E a esse nível, falhando-me certamente conhecimentos científicos mas com o impulso da minha experiência pessoal, acho que tudo se resume a sabermos que somos.

Se aqui estou hoje a escrever este texto é, seguramente, porque mesmo “em coma”, ou coisa do género, senti sempre que era eu, fosse lá essa pessoa quem fosse. E que havia pessoas que amava e que ainda precisavam de mim; uma delas a sussurrar ao meu ouvido, teimosamente e contra todas as lógicas aplicáveis ao meu corpo e à minha mente, que voltasse, que recuperasse a nossa vida, que estava ali à minha espera. Durante os dias que se seguiram, ignorando a medicina e os maus augúrios que pairavam em atos e palavras, essa pessoa não desistiu. E eu, teimosa e empenhada, sabendo que não estava só, fui voltando. Ainda estou a voltar. Como me disse uma terapeuta, recentemente, o meu corpo agora é como um filme: tem várias sequelas. Eu ri-me a bom rir, não só porque adoro piadas como também só tenho motivos para rir. Estou com a minha família. Perdoem-me o vernáculo, mas sinto que fiz um manguito à Dona Morte.

 

Em conclusão, enquanto soubermos que existimos e que temos motivos para existir, temos consciência. E temos poder. Agora é só usarmos esse poder para espalhar Amor.

Assim à laia de pseudoescritora intelectualoide:

Minha alma é um espaço oculto; não sei que planetas e estrelas o habitam, quantas galáxias nascem e morrem nele, quandos buracos negros domina, quantos novos sóis brilham hoje nele, onde começa ou onde acaba. Só me conheço como universo.

 

Laura Palmer

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

23.9.15

RuledNotePaper-KarenArnold.jpg

Foto: Ruled Note Paper – Karen Arnold

 

Folha imaculada e completamente branca, luz acesa, obrigação contratual assumida, deadline por cumprir, pressão do tempo que começa a escassear, iminência de incumprimento, risco de sofrer sanção e sentir-se culpado pela inatividade e falta de capacidade de resposta, enfim um misto de sentimentos enchem a alma, assolam o sentimento, invadem a consciência e criam um foco de conflito, de instabilidade entre a emoção e a razão. E agora, como dar a volta a esta passividade para finalmente assumir este desafio conforme tem sido prática? Ou irei assumir a vergonha, a limitação, fraqueza humana, e reconhecer que desta não poderei dar o meu contributo, ainda que seja mais um no meio de tantos outros igualmente bons ou melhores.

Este é mais um daqueles monólogo francos que travamos connosco logo nas primeiras horas da manhã, quando nos encaramos, fazemos a leitura do contexto e não reconhecemos e nem gostamos do que a realidade à volta revela. A pergunta seguinte, disto resultante, é o que fazer para inverter esta situação? Teremos capacidade e coragem para enfrentar a desilusão e dar a volta a esta situação? Poderemos reassumir a nossa postura e imagem habitual sem colocar em causa a nossa popularidade? Não criará um dualismo antagónico na nossa identidade sob o ponto de vista dos outros? Mais profundo ainda, a nossa própria consciência irá nos ilibar, num futuro próximo, desta contenda?

No percurso quotidiano o nosso ser e estar é posto em permanente avaliação, as nossas atitudes e reações salientam a nossa personalidade e solidificam a nossa imagem. Por último, a consciência é que orienta os nossos atos face à posição de equilíbrio que se pretende construir nas relações sociais que mantemos com diversas partes. A aceitação ou negação dos estímulos e ideias que sinalizamos ao mercado são responsáveis pelo estado de satisfação ou insatisfação a nível de progressão nos vários domínios da vida.

Para todas as atividades o compromisso e adesão são elementos fundamentais para um desempenho mínimo, para além da necessária competência, funcionalismo e pofissionalismo. O nível de concentração é a arte ao serviço da atividade, conferindo um toque único e especial, um detalhe acima da média. A repetição da prática de forma automática, escalando a pirâmide motivacional, agudiza a excelência, moldando competências únicas e distintas.

Acima deste nível, integram numa mesma embarcação solicitações diversas sobredoseadas pela tensão envolta, viés humana em copiar os outros e seguir tendências, reduzindo a capacidade de contornar situações adversas que poderiam gerar acidentes de percurso. A este nível, a consciência ativa o manual de boas práticas, a governance encarrega-se da seletividade dos projetos, contrariando a lógica inicial de acumulação para um modelo orientado à distinção e a promover a diferença.

A consciência é assim um ativo poderoso, uma base de dados que afina a fila de espera e padroniza os insumos à entrada. O diálogo com a consciência, através da ativação da autoconsciência, é um exercício recomendado para a monitoria e controlo de desempenho contínuo. A autoavaliação daí resultante catalisa a assumção da crítica e da diferença como elemento que destrói a diferença e constrói o consenso. A perceção sobre a importância do diálogo, o poder de negociação e persuasão, como ferramentas indispensáveis para comunicar, transmitir e transacionar a nossa consciência, são a fonte de poder desta nova era, que transitou em movimento migratório da força física bruta, para o poder de compra, posteriormente para o acesso a informação e agora para o conhecimento.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

22.9.15

BL - 7 Aniversário.jpg

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:05  Comentar

21.9.15

Woman-GeorgeHodan.jpg

Foto: Woman – George Hodan

 

Às vezes paro a Vida à tua espera.

Como se a Vida parasse e esperasse por alguém.

Como se tu te apercebesses do tempo que te dedico.

Como se tu parasses dois minutos para lembrar que eu existo.

Como se o meu Mundo fosses tu, que nem chegas a ver-me ou a sentir-me.

Tu giras sobre ti mesmo e eu fico tonta de tanto que giro à tua volta.

E de todas as vezes, no meu íntimo, faz sentido esperar-te. Mesmo quando me empurras ou não me vês.

 

E a Vida que não espera, vai passando.

E com ela, de mãos dadas, vão os outros.

Os que me veem e me sentem.

Os que eu negligencio, porque insisto em esperar-te.

 

Joana Pouzada

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

20.9.15

Nervous-SteveLinster.jpg

Foto: Nervous – Steve Linster

 

Foi a última gota de veneno, Antónia não iria tolerar mais ser acusada, minimizada e humilhada… a mãe conseguia sempre realçar os seus piores defeitos. E o pior é que tinha razão, nunca seria grande coisa. Antónia, por altura com vinte anos, sabia-se feia, desinteressante, sem namorado, pior, não era amada, e agora acusada de nem sequer gostar da bebé, sua sobrinha, que ela havia tomado para o seu coração como sua filha. Acusada, mais uma vez, de não valer nada, de ser uma grande falhada, de ser incapaz, e sem grandes perspetivas de futuro. Aquela discussão, não foi mais do que um acumular de mágoa e frustração que já vinha a tornar-se frequente. E o pior de tudo era a solidão, não ter com quem falar, não ter “aquele” ombro, “aquele” amor, saber que no fundo não valia nada… Não, foi mesmo a última vez. E foi assim que decidiu. Sabia exatamente o que fazer e como fazer. Para o diabo com aquela vidinha execrável. Nem o Vale das Sombras podia ser tão mau!

Antes, porém, decidiu escrever duas cartas: à bebé que amava profundamente e em quem tinha depositado tantas esperanças, e àquele homem que havia conhecido cerca de três meses antes e lhe preenchia o pensamento, embora com muitas contrariedades… Decidiu começar por ele.

Antónia como que se apresentou, pensando, insegura, que ele, eventualmente, nem tinha reparado assim tanto nela, começou por dizer que gostaria de o ter conhecido melhor, porque estranhamente, e apesar das diferenças que os separavam e que poderiam ser decisivas, acreditava que ele era uma excelente pessoa. E foi então que se deu o clique… surgiram-lhe no pensamento pequenas conversas, trocas de olhares, lembrou-se da forma carinhosa com que ele a tratava, de todas as vezes que subiram juntos a rua, ela para a paragem do autocarro, ele para o escritório, sempre de braços colados um no outro, como se o calor de um fosse fundamental para o outro… como se tentassem falar-se através dos braços encostados. Antónia pensou, sobretudo, no seu sorriso fácil de olhar azul, nas sua risada alegre, no perfume que anunciava a sua chegada ainda antes de o ver entrar no café, quando o dia finalmente começava. Foi então, nessa carta de despedida que aceitou algo que insistia em negar redondamente: amava-o, apesar da diferença de idades que os separava, e apesar de se achar muito pouco para ele. Amava-o e decidiu ficar, só para ver como seria… e se não resultasse, haveria sempre uma caixa de comprimidos à disposição. E foi assim que decidiu não se suicidar. Não daquela vez. Talvez porque o ímpeto não fosse assim tão forte, ou talvez porque encontrou dentro de si um motivo para viver.

E o desfecho daquele pesadelo não poderia ter corrido melhor: apaixonados como estavam um pelo outro, amaram-se profundamente todos os dias, tiveram as provações inerentes a qualquer casal, a qualquer dois que no todo é um, casaram e edificaram um ninho baseados na tríade que os regeu desde sempre: amor, amizade e companhia. E foram felizes todos os dias.

 

Ana Martins

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

18.9.15

FaceOfTheMan-GeorgeHodan.jpg

Foto: Face Of The Man – George Hodan

 

Quando me ponho de fora de mim observo, aparvalhado, aquilo que sou. Tornei-me bem diferente daquilo que imaginei. Nem para melhor nem para pior. Apenas diferente. Como quando existe uma projeção e a realidade sai completamente ao lado dessa projeção.

Há momentos na vida em que paramos e fazemos balanços. Fazemos uma espécie de introspeção para tirarmos conclusões sobre a nossa vida e nos sintonizarmos com a nossa identidade. Quem sou eu, afinal? Quem tenho sido? É mesmo este o gajo que quero ser? Serei assim daqui em diante? São perguntas às quais nunca encontro respostas definitivas e fechadas. Vou encontrando algumas, mais referentes a ações do que propriamente a conceitos: “o que fizeste naquela situação não foi ajustado aos teus valores” ou “podias ter cedido naquela conversa, em vez de te teres dedicado imbecilmente a defender o teu orgulho” ou ainda “podias ter parado para ajudar aquele rapaz”…

Por vezes julgo ser duas pessoas: uma que me idealiza e outra que age como que levada por uma onda, dependente do movimento do mar. Porque nem sempre faço aquilo que está certo ou, pelo menos, que está de acordo com aquilo que a minha consciência defende. A primeira é mais livre, projeta-me nas situações e imagina a minha atuação segundo a educação e os valores que recebi; a segunda está envolta numa densa massa de regras competitivas, que me leva a dar primazia à minha posição social, em detrimento parcial (e nunca total) dos tais valores que me formam e me identificam. No fundo, sou a junção de duas consciências que, por vezes, parecem ser mutuamente opostas e exclusivas: uma individual, minha, que atua sempre corretamente no abstrato e hipotético; e outra coletiva, social, que atua em circunstâncias para as quais não estou devidamente preparado e que me leva a tomar comportamentos diferentes daqueles que tomaria se não tivesse que defender o meu estatuto ou os meus interesses (alguns egoístas) junto dos outros.

Quando eu era idealista – adolescente, portanto – não me via a trair os meus princípios em nenhuma circunstância. Eu sou eu em qualquer contexto e tal… Mas depois constatei que a vida não é assim tão transparente, tão preto no branco, tão óbvia, para poder dar-me ao luxo de ser firme e constante. Sou o que sou ao sabor da corrente, não o que quero ser. Sou a minha consciência coletiva. E isso importa-me? Nem por isso, porque vale-me a ideia de que ponho sempre um pouco da minha consciência individual em tudo o que faço, mesmo que não queira, porque também sou a minha consciência individual.

No entanto, as experiências de Solomon Asch (sobre a conformidade ao grupo) e de Stanley Milgram (sobre a obediência), bem como outras teorias que se lhes sucederam como, por exemplo, a de Brad Bushman (sobre a agressividade associada ao narcisismo) ou lhes antecederam, nomeadamente a de Émile Durkheim (sobre o facto social e a consciência coletiva), vieram revelar-me a chocante realidade: a de que vivo na permanente ilusão de que sou o autor do que, afinal, se impõe a mim de fora. Sou autor de coisa nenhuma, nem do meu comportamento, nem mesmo do meu pensamento. Faço parte de um sistema que tem vida própria, que me abriga e me confere proteção. Fui formatado desde a nascença para caber nele, comendo, bebendo, vestindo e falando do modo que me foi imposto, para que hoje mantenha hábitos consonantes com as regras desse sistema. Para me manter dentro dele, fazendo parte deste todo estruturado e coeso, basta que cole a minha opinião e as minhas decisões às da maioria. Assim, face a assuntos fraturantes de interesse nacional ou regional, posso ter uma posição pessoal e outra coletiva, desde que, no final, aja de acordo com a coletiva. Ser-se um bom cidadão nem sempre é fácil.

 

Joel Cunha

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

16.9.15

Refugiados.jpg

 

Consultei a definição de consciência, em vários sítios e encontrei definições científicas, filosóficas e psicológicas. No entanto, o que me interessa neste momento é a consciência do outro. É saber que o outro existe e é diferente e desconhecido. Mas nem por isso mau e perigoso. Se temos consciência de nós, devemos tentar ter consciência do outro, do que ele sente e pensa, de como ele vê a vida e o mundo à volta, de como ele reage e se comporta.

Não tenho página no Facebook, mas ontem, em conversa com umas amigas, apercebi-me de que andam a circular fotos, vídeos e opiniões por todo esse universo, sobre os refugiados e sobre o mal que essas pessoas vão trazer a todos os países onde chegarem. Nem sempre vejo as notícias, mas quando acontece, o que vejo são centenas de pessoas a fugir de uma realidade atroz, pessoas que deixam tudo para trás, que se arriscam a morrer na travessia por mar, que sujeitam os filhos, pequenos, ao perigo e que falam uma língua incompreensível. Essas pessoas fogem para uma terra que consideram melhor, de liberdade, de oportunidades, de refúgio e de promessas para si, mas acima de tudo para os seus filhos. Além de tudo o que têm de enfrentar, estas pessoas têm de enfrentar o preconceito e a discriminação de quem cá está. Mais uma travessia difícil!

Portanto, o que me ocorre sugerir é fazermos, todos, alguns exercícios de consciência e pormo-nos no lugar dos refugiados, que fogem dum país que já não lhes oferece nada. Podemos imaginar que estamos com dezenas de pessoas no mesmo barco, pequeno, a atravessar o mar. Podemos imaginar que temos um filho, ou uma filha, aterrorizado no nosso colo, a chorar todo o caminho. Podemos imaginar que temos fome e frio e que não sabemos onde vamos chegar, ou se chegaremos. Podemos imaginar chegar a terra e querer comunicar e não sabermos falar a língua e não conseguirmos que ninguém nos entenda. Sim, porque nem todos os refugiados sabem falar inglês. Podemos imaginar que nunca mais veremos a nossa casa e a nossa cidade ou aldeia. Podemos imaginar que chegamos a terra e sentimos alívio e alegria, porque agora estamos a salvo. Podemos imaginar o terror que se sente quando é dito que temos de voltar para lá. Podemos imaginar muita coisa, mas é difícil pormo-nos no lugar deles porque estamos aqui protegidos e a desgraça vemo-la na televisão.

Neste momento, para mim, a voz da consciência deveria falar outra língua e a mão na consciência deveria segurá-la, enquanto a outra mão a prende para não a deixar cair. A consciência do outro que vem até nós e a consciência de que o medo é poderoso. O medo com que os refugiados fogem é o mesmo com que nós os recebemos. Há que ter consciência disso para pararem as histórias, as imagens e os filmes. Há que ter consciência para se sentir um peso nela!

 

Patrícia Leitão

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

14.9.15

YogaExercise-AnnaLangova.jpg

Foto: Yoga Exercise – Anna Langova

 

Se pensarmos naquilo que nos distingue como humanos, parece-me improvável que a noção de consciência não aflore, rapidamente, à nossa mente. É, pelo menos, assim comigo. Somos seres conscientes, com capacidade para mergulhar em memórias passadas e em planos futuros; com possibilidades para tomar consciência de cada ação e respiração do nosso corpo... Mas então, num mundo repleto de estímulos e sofisticadas distrações, a nossa consciência afasta-se frequentemente de nós próprios.

Entre preocupações, previsões e preparos, torna-se natural corrermos o mundo de olhos no que ainda não chegou. Os “pres” parecem-me, todavia, antecipações parcialmente desnecessárias. Isto é: quanto tempo passamos com foco em algo que nunca existiu e desvalorizamos, assim, o que de facto nos rodeia?

E depois há as memórias, e as profundas viagens na senda do passado. Não pretendo criticar planos ou lembranças; proponho somente um olhar, uma reflexão, uma tomada de consciência: entre os aléns abstratos onde nos escondemos, onde fica a consciência de onde estamos, do que sentimos e do que, no fundo, somos verdadeiramente?

A meu ver, consciência é o que somos mas, simultaneamente, o que está mais longe de nós próprios; aquela essência ou capacidade que deveríamos procurar com mais força. Quando foi a última vez que nos sentámos conscientes de cada inspiração sem qualquer apego a noções de tempo?

Entre hábitos e impulsos as nossas ações seguem-se sem grande consciência – e assim caminha, como uma sombra invisível, a nossa verdadeira essência a nosso lado. Quando foi a última vez que largámos quaisquer rótulos para desfrutar simplesmente da nossa existência, por um momento?

Consciência de cada ação, de cada emoção e de cada sensação no nosso corpo – esse é o meu yoga, a procura de cada dia. É uma forma de união connosco mesmos, com uma mais autêntica forma de existência. Antes dos rótulos sociais; para além das abstrações no tempo.

Consciência de cada momento e aceitação do presente. Fusão com o espaço e ... enfim, falo somente de experiências pessoais de consciência. Um caminho, a meu ver, digno e belo de ser explorado. À experiência de ser conscientemente; a resposta: felicidade. Súbtil, esmagadora felicidade.

 

Isabel Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

13.9.15

DameUnBeso-XoanSeoane.jpg

Foto: Dame Un Beso – Xoan Seoane

 

Espera… cede-me um momento… e deixa que esse momento se perca no tempo, pois tenho todo o tempo para te ouvir… mas se o final do tempo chegou para ti, atrasa o relógio… volta atrás no tempo e com o que dele resta lutarei para que fiques…

“Deixa-me partir desta cidade, deste mundo… quero perder-me de mim. Ao meu redor só vejo as cinzas provocadas por um mundo em chamas, um mundo que desabou. Preciso procurar uma nova casa e se o que se esconde para lá do que podemos percepcionar pode ser apelidado de casa… então quero ir para casa… sinto-me sem forças e não me quero atrasar para o meu encontro… marquei encontro com o descanso eterno do outro lado da lua… no seu lado negro, frio e sombrio.

O coração já quase não bate por ninguém após tanta dor… as aspirações voaram com o vento após a tempestade de barreiras e obstáculos… se eu já não consigo dormir como poderei voltar a sonhar? Mas se não sonho então como pareço viver num pesadelo?

Faço-me à estrada… encontro-me sem Norte mas a bússola aponta-me o caminho… um caminho sem volta. Perguntam-me se vou morrer… não… pois já morri há muito tempo…”.

As pegadas que deixas no teu caminho são como sinais… signos com o seu significado à espera de serem decifrados… consigo juntar as letras e ouvir o som da tua voz a proferi-las… o mesmo vento que te levou as aspirações traz-me agora a tua mensagem… ”Salva-me”.

Não te aponto o dedo nem te julgo pela tua vontade… não te acuso de egoísmo… a sociedade é uma construção social fabricada pelo Homem e para o Homem… e ambos sabemos o que o Homem é capaz de fazer aos seus pares… a irracionalidade do ser racional levou a que a pouco e pouco te fosses alheando do imenso teatro que nos rodeia… já não queres ser a atração principal da tua vida, olhas para os teus documentos mas não encontras a tua identidade, não sabes o que são certezas pois em ti já só encontras dúvidas.

Por entre toda essa anomia ainda consigo vislumbrar uma imensa luz… não é a noite nas cidades que a irradia, nem tampouco o seu brilho provém de corpos celestes… é uma luz que nasce nos teus olhos capazes ainda de encandear… nos teus olhos ainda se reflete esperança, amor, um sorriso e o desejo de viver.

A tua vida não está mais perdida, pois eu encontrei-a e agora é o momento de a devolver a quem mais dela precisa…devolvo-a a ti.

“As flores não são mais cinzentas, os rios voltaram a correr para o mar, o céu vestiu-se novamente de azul, o sol renasceu, o vento voltou a soprar de forma melodiosa… e eu voltei a mim.

Falamos de momentos… e percebo agora que este não era o momento de partir, mas sim de ficar… e de viver… eu escolhi Viver…”.

 

P. Melo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

11.9.15

FirstKiss-AlenaKratochvilova.jpg

Foto: First Kiss – Alena Kratochvilova

 

Por estes dias casei. Cerca de 48 horas atrás encontrava-me a festejar com família, amigos e a minha (agora) esposa. Pessoas que amo e que me fazem feliz. E isso sei-o, conscientemente.

Perguntaram-me, variadas vezes, nos dias que antecederam o evento, se ia mesmo avançar com o casamento. Ou por outra, se tinha consciência do que ia fazer.

Acredito que tal questão (ato consciente de quem pergunta), pelo menos no meu caso, de tom verdadeiro nada teria. Seria então brincadeira, de quem não teve consciência de perceber que a mesma reduzia ao que de facto sentia em relação ao assunto. Mas o contrário, em verdade, não seria de esperar. Cada um ama como ama e sente como sente. E, por vezes, tais mecanismos nem são conscientes.

Claro que pior ficou quando em jeito provocatório, confesso, contrapunha com um “já é a segunda vez”. Conscientemente, claro.

A reação foi sempre a que esperei. Adjetivos em barda, ilustrando ora suposta estupidez, ou então ato corajoso. Mas inconsciente, diga-se.

Seria contudo injusto de minha parte não vos situar em relação aos interlocutores de tais conversas. Não foram convidados, ou sequer amigos próximos. Pessoas com quem me cruzo esporadicamente e que com quem, eventualmente, terei um amigo ou conhecido em comum.

Ficam então algumas considerações conscientes, socialmente falando:

Quem vai casar poderá não ter consciência do que vai fazer;

É válido perguntar se o anterior se verifica nesse caso concreto;

Ao perguntar tal, inconscientemente, minimiza-se o real valor do sentimento impresso ao ato;

O casamento repousa, conscientemente, numa suspeita de falência eventual;

E quem casa por segunda vez, tem por certo um défice intelectual por diagnosticar; E do mesmo não terá consciência.

 

PS: Aproveito para escrever que estou mesmo muito, muito feliz. Este “enforcado” acredita no amor. E enquanto assim for, os inconscientes serão os outros.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

9.9.15

AggressiveDevil-PetrKratochvil.jpg

Foto: Aggressive Devil – Petr Kratochvil

 

O que é a consciência? Que voz é esta que nos sussurra bem baixinho o que devemos ou não fazer? Devemos ouvi-la? Devemos agir segundo algo que não conhecemos ou que não sabemos explicar?

Consciência é a voz imaginária que habita o interior de cada um de nós. Explicá-la, com exatidão, é um desafio com que nos deparamos sempre que tentamos arranjar uma resposta lógica para este impulso que nos leva a agir de determinada forma.

Todos nós sabemos praticar boas ações… mas teremos sempre pensamentos bons? Pensamentos maus… quem os não teve em algum momento… mas tal não obriga a que estes sejam transcritos para más ações.

Podemos ver a consciência como uma avaliação moral que fazemos de algo, sem sequer nos darmos conta de que o estamos a fazer. É uma capacidade natural de perceber, em cada situação, o que se afigura como certo, prioritário e em que medida devemos agir.

É a nossa consciência que nos leva a dar conta do que devemos fazer… e repito, do que devemos mas que nem sempre seguimos. A decisão surge depois… surge após escolhermos seguir ou não o juízo criado pela nossa consciência. É no seguir ou não esta voz, este caminho traçado pelas premissas do que está certo ou errado, que nós próprios deslindamos o nosso destino e daqueles que nos rodeiam.

Em variados momentos, muitos são aqueles que lutam, sem que de tal se apercebam, contra esta voz que nos guia pelo caminho, que nos faz distinguir o bem do mal. Esquecem-se deste impulso e são guiados por ações negativas baseadas em preconceitos, legitimando a inferiorização dos outros e infligindo sofrimento.

Para a pessoa que cometeu algo que é errado, a voz de sua consciência é sempre uma chamada de atenção para as suas ações. É isto que nos distingue dos animais; eles não têm consciência do que fazem: não sabem se fizeram o bem ou o mal. O homem, pelo contrário, tem no seu interior uma voz que diz: “faz o bem, evita o mal”.

Apesar desta voz nascer connosco, a consciência precisa ser bem formada porque está sujeita às influências do meio que nos rodeia. Uma consciência bem formada é reta e verdadeira. Formula os seus julgamentos seguindo a razão, de acordo com princípios como a igualdade, a solidariedade e a justiça. É através do juízo criado pela nossa consciência que percebemos que somos todos iguais, independentemente da cor da pele, do estatuto social, do dinheiro que possuímos ou do sítio onde vivemos.

A educação da consciência é indispensável aos seres humanos submetidos a influências negativas. Muitas vezes são as circunstâncias da vida que levam a “abafar” a voz que nos indica o que está certo.

Esta voz que se ergue antes de qualquer ação tomada por nós, repete-se também após a tomada de decisão, para que possamos avaliar o caminho que escolhemos.

Que os vários caminhos e atalhos escolhidos por cada um de nós convirjam numa tomada de consciência coletiva… a do fazer o bem, a de acolher a diferença, a de não julgar, a da tolerância… a da igualdade.

 

P. Melo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

7.9.15

StreetTango-FranHogan.jpg

Foto: Street Tango – Fran Hogan

 

A consciência é a cruz que eu carrego… ou será a cruz que me carrega a mim? Coexistimos arduamente numa dança de voltas e reviravoltas, em que uma se tenta afastar e a outra a puxa para si, como num tango argentino em que um quer e o outro não, e depois já não quer e o outro corre atrás e bloqueia a fuga. A rosa na boca é só para enfeitar e dramatizar.

Não é fácil viver permanentemente em consciência, tomar todas decisões, jogar pelo seguro, aspirando o certo, porque mesmo o certo nem sempre está intimamente ligado à consciência, pois não? Ironicamente, é preciso ter consciência para agir sem consciência (existe maior contradição?) porque isso não quer dizer que se traduza numa ação pejorativa para nós ou para o outro. Porque, de quando em vez, também é preciso montar na catapulta e atirarmo-nos para o outro lado do muro.

Seria, sem dúvida, mais fácil viver sem esta necessidade básica de tudo fazer em consciência, de tudo decidir tendo em conta a nossa vontade e a nossa necessidade, ou então – ainda melhor – nada ter que decidir, deixar a vida decidir por nós. Maravilha, não? Pois, mas somos animais racionais e necessitamos da ordem, além de que não somos crianças, aliás às crianças tentamos que tenham consciência de si e dos seus atos o quanto antes…

Por outro lado – e como existe sempre o outro lado da história - existe o fator medo que vai pairando neste meu relacionamento ambíguo, em que uma vai carregando a outra, porque às vezes há que correr (e muito), mas refugio-me nessa tal de consciência, com medo da perda, com medo da eminência da queda, ou simplesmente só com… medo! Na verdade, existe uma linha tão ténue, qual marca de água, que separa a consciência do medo, que me faz periclitar entre um lado e outro permanentemente.

Basicamente, consciente por ter cão e consciente por não ter.

E assim vou dançando pela vida fora, entre disputas, vitórias e perdas, com a tal senhora cruz, mesmo sabendo que o tango argentino não é o meu estilo preferido, mas ciente de que é impagável poder partilhar a minha almofada com ela.

 

Ana Martins

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

6.9.15

AndarAPéNumaPraiaLabirinto-Andrew Schmidt.jpg

Foto: Andar a pé numa praia labirinto - Andrew Schmidt

 

Estava num labirinto. Só via encruzilhadas, caminhos cruzados sem saída. Percorreu todos os caminhos e voltou sempre a um onde já estivera, voltou ao anterior, voltou ao primeiro. Andou em todos e em cada um deles mais do que uma vez, tentou andar em todos de uma só vez e depois já não tentou.

O desespero sempre do mesmo chão, a angústia sempre das mesmas paredes, o terror nunca da saída. E desistiu. Deixou-se ficar preso no labririnto e num flash chegou a libertação, o alívio, a paz e depois mais nada.

Lentamente, a rebolar pelo chão veio um novelo. Seria de lã ou de linha, não sabia bem. Nunca pensou que veria um, nunca pensou que chegasse um ali. Recebeu-o e levou-o consigo pela mão, pelo caminho. O novelo mostrou-lhe o chão e as paredes, aqueceu-lhe a mão e o corpo e o coração. Já teria passado por ali, mas talvez não naquela direção.

O novelo era de lã escura e grossa. Enquanto o enrolava apercebia-se de que era de muitas cores. Cores escuras que se misturavam numa bolinha de fios cruzados e entrelaçados. O fio começou a ficar mais esticado, começou a puxar pelas suas mãos. As cores eram mais claras agora, as mãos estavam mais claras também. As paredes eram brancas e o chão de areia fina e brilhante.

Começou a ver os fios do novelo uns por cima dos outros, as suas mãos estavam inteiras, tinham dedos e os seus pés andavam firmes e rápidos num só sentido. Sentiu os olhos a fecharem-se, uma aragem fresca na cara e quando o fio acabou estava cá fora!

Abriu os olhos e tinha o novelo nas mãos. O novelo pulsava devagar e as cores corriam pelos fios num fluxo constante. Viu uma pessoa à sua frente. Estendeu-lhe as mãos abertas e entregou-lhe o novelo.

- Obrigada! Como soubeste que estava ali?

- Não soube. Ouvi o teu grito.

- Eu não gritei.

- Mas eu ouvi!

 

Patrícia Leitão

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

5.9.15

DMPS 2015 Logo2.png

 

No próximo dia 10 de setembro celebrar-se-á o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio. Em 10 de outubro celebrar-se-á o Dia Mundial da Saúde Mental (este ano sob o tema: Dignidade na saúde mental).

 

O blogue Mil Razões…, associando-se àquelas celebrações, publicará uma minissérie de artigos com o tema Suicídio, sempre ao domingo, a partir de 6 de setembro.

Leia os artigos e deixe os seus comentários.

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

4.9.15

CrackedDiamond-GeorgeHodan.jpg

Foto: Cracked Diamond – George Hodan

 

Quando se observa um diamante podem ser vistas várias cores que se vão alterando conforme o prisma. Assim é este tema. Um diamante. Um tema rico demais, que pode ser abordado de tantas formas interessantes. Hoje, porém, resolvi abordá-lo de uma forma muito simples porque a simplicidade é também uma dificuldade.

Uma das situações que mais podem ajudar o ser humano a evoluir, não é somente a consciência, mas sim a Tomada de Consciência. Tomar consciência é um processo muito delicado e complexo. Primeiro porque o ato de Tomar implica interiorizar, tornar seu porque se quer deixar entrar. Isto por si só já seria consciência. Mas as duas palavras juntas preconizam algo mais forte e profundo… é um olhar de forma diferente para o óbvio, é perceber o que sempre lá esteve e isto é algo que pode ser muito difícil. Tomar consciência que estamos errados, tomar consciência que aquela pessoa não é o que queríamos que fosse, tomar consciência dos nossos padrões, tomar consciência do inevitável, tomar consciência da respiração. Mas é nesta consciência “consciente” que podemos fortalecer-nos, melhorar a nossa conduta, enquadrar-nos nos acontecimentos. Saber quem somos e onde estamos no percurso da vida, é saber evoluir com a Luz da inteligência e o Brilho da coragem para mudar, reforçar ou ignorar aspetos que sem esta Consciência nos deixariam sempre aprisionados no terreno lamacento da ilusão.

 

Sara Almeida

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

2.9.15

Stages-PetrKratochvil.jpg

Foto: Stages - Petr Kratochvil

 

Se não tens por que ficar, vai. Deixa que os outros te julguem como quiserem. Deixa que o mundo te meça na medida do que for capaz de sorver. Não esperes que entendam. Não queiras que te entendam.

Se tomares a decisão, não olhes para trás. Não programes as coisas como se fosses cá estar depois porque não vais. E não fazes ideia de como as coisas vão ser quando partires.

Organiza-te. O que te falta fazer? De quem te queres despedir sem cheirar a despedida? Faz isso tudo com um sorriso nos lábios, com amor no coração. Não comeces guerras que não vais ajudar a travar. Não deixes azedume e tristeza na tua saída; essas coisas podem durar uma eternidade.

Com a consciência que te resta, não hesites, não gaguejes, não grites aos sete ventos. Vai. Calmamente. Em paz.

Liberta-te dos grilhões da vida, do espaço e do tempo.

Não, não estás louca. Talvez estejas mais sã do que nunca. Que mais poderias dar a um mundo tão insano e perverso?

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

15
17
19

24
26

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Parabéns pelo blog, gostei muito da maneira como e...
Obrigado SAPO.CV!!
Olá :)Este post está em destaque no "Cenas na net"...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: