10.12.13

 

A LIBERDADE é um estado transitório que medeia o indivíduo e suas necessidades face ao quadro de soluções acessíveis no contexto, mediante regras instaladas para regular a sua inserção e atuação. Impera que, sendo a liberdade uma dádiva de Deus, em condições normais adquire-se com a vida e abandona-se com a morte.

Ser livre é ter a oportunidade de se libertar da dependência ideológica que o funcionalismo sistémico impõe de forma rotineira em sistema de vasos comunicantes, quando o indivíduo encontra-se privado de ser ou de estar independente para agir em sua livre consciência e espontânea consciência.

No plano operacional, a liberdade é um instrumento bélico que de acordo com o seu uso pode contribuir para a geração de valor e benefícios próprios, a liberdade marginal gera externalidades sempre que a liberdade de uns afeta a dos outros numa vivência em sociedade.

O elemento crítico que contribui para a convivência de liberdades individuais sem criar interferência no equilíbrio relacional, diminutiva ou aumentativa, é o bom senso, que sugere o respeito mútuo, aceitação das diferenças, autodomínio e auto-superação.

A liberdade é assim um bem em constante mutação, no ciclo de vida do Homem, ocorre uma sucessão de liberdades que se abdicam para delas conquistarem-se outras. A liberdade elementar trazida pela vida é um bem inalienável, um ativo em estado bruto, a sua aplicação criteriosa e em condições favoráveis na satisfação de necessidades e consecução de objetivos próprios pode torná-lo um ativo único.

Das várias privações que se podem arrolar, eventualmente, a ideológica e de expressão, sejam as mais incisivas. Se o pressuposto primário da filosofia é a capacidade cognitiva do Homem, René Descartes na sua célere aceção Cogito, ergo sum, lançava as bases para o papel da filosofia enquanto ciência mãe, a necessidade da crítica e autocrítica, o questionamento contínuo como primazia para a renovação do Homem. O saber pelo saber e pelo questionamento são métodos científicos válidos para a aprendizagem contínua, um verdadeiro bem ou recurso livre.

Apesar da virilidade do conhecimento percecionada pela rigidez das fontes de acesso a informação serem limitadas e nem sempre acessíveis, entenda-se que a privação do conhecimento não é em si um destino do Homem, este pode e deve-se valer de sua humildade e sede do saber para superar barreiras impostas ao alcance de sua própria liberdade. A luta pela independência é secular e legitima a reivindicação dos direitos que a subjugação pode condicionar.

 

António Sendi


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: