2.8.13

 

Daqui a duas semanas, mais coisa menos coisa, começa aquilo a que oficialmente chamo de férias. Esperei-as com ansiedade, fiz planos sem um guião rígido, sonhei acordada e, numa vírgula da existência, tudo se alterou. Caminhar para o período de ócio lembra-me a força que não sinto, a esperança que se esfumou, o rasgar dos afetos que ainda não digeri e todo o tempo do mundo para que me engulam, sem mastigar. Tenho medo de parar, em boa verdade, e já me irrita o som desta tipa aos berros na minha cabeça, apre. Enquanto me mexo, enquanto a rotina me obriga a agir e a esquecê-la por momentos, quase lhe sou imune. Trabalhar é, portanto, o meu ipod antigralha. Mas, quando eu parar, quando não houver horários profissionais a cumprir, quando nada validar por o pé fora de casa, como fingirei que não a oiço? O que sentirá ela então, quando todo o tempo lhe pertencer e me puder atormentar com pompa e circunstância? Temo-a tanto quanto temo pela vida que me escorre entre os dedos, veloz e impiedosamente. Temo-a porque sou eu que lhe viro as costas para que me empurre com graciosidade pelo penhasco abaixo.

Nestas férias quero fugir à consciência que me tem trazido angustiada e cabisbaixa, quero isentar-me desta nuvem que me afunila a caminhada e me tolda o pensamento. No saco de praia, ao lado do protetor solar, levo a indignação de me ver sucumbir com tal falta de graça. Pergunto-me porque raio tenho de “dar a volta” tanto quanto me bate “…e porque não?” Resumindo e baralhando: estou cansada de chorar mas não me canso de sorrir. Nem que seja a última coisa que eu faça.

Nestas férias, gostava que vencessem o amor, o sol num céu limpo e sem nuvens, o pé que caminha sem hesitação, a mão na mão que nela vive e a esperança que prolonga os dias e guia a alma no meio da tempestade. E depois, gostava de regressar a casa, plena, inteira, ávida de muitos mais capítulos – ainda por escrever – na história da minha existência.

 

Alexandra Vaz


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Agosto 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: