28.6.13

 

Junho é o mês que associo à infância!

Quando era criança, junho era o mês das férias, dos primeiros dias de praia, das tardes passadas em casa de amigas, do início das férias em casa da tia Maria onde, com a ajuda do tio Manel, “atacava” as cerejeiras para me deliciar com o fruto a que, ainda hoje, não consigo resistir.

Foi em junho que, nos últimos dias de infância, morreu a minha avó materna, cuja figura alta e esguia, olhos esverdeados e cabelos brancos arrumados em forma de carrapito, guardo com muita saudade.

Dos seus lábios, sempre a sorrir, saíam palavras doces que pareciam música, ensinamentos preciosos que só as pessoas simples nos podem dar.

Era frequente vê-la lançar mão de ditados e dizeres populares, quer para opinar, quer para ensinar de forma sucinta e airosa.

Um dos que mais utilizava era: “Quem não arrisca não petisca”.

Durante algum tempo, achei que estas palavras estavam relacionadas com comida (“petisca”), por isso não estranhava quando, numa tentativa para que comesse a sopa, me sussurrava ao ouvido “quem não arrisca não petisca”, ao mesmo tempo que me enfiava uma colher da dita boca adentro.

Estranhava, no entanto, que a minha avó o utilizasse em situações que nada tinham a ver com alimentos. Por exemplo, quando falava do quanto me devia aplicar no estudo, não só para passar de ano mas para “ir ganhando conhecimento das coisas e do mundo”; ou quando me incentivava a trocar o triciclo pela bicicleta sem rodinhas; ou ainda, quando me tentava convencer a bordar uns paninhos com patinhos que havia comprado na retrosaria do bairro, tarefa difícil para uma miúda que como que não sentia qualquer afinidade por agulhas e linhas.

Lembro-me de algumas vezes a minha mãe ficar zangada ao ouvir o “maldito” provérbio, pois, segundo ela, existiam muitos perigos à espreita de uma criança inocente e indefesa como eu, ao que a minha avó replicava: “Ela é uma criança mas não é parva!”

Ah, como me sentia importante nesses momentos!

Fui crescendo e os ensinamentos da avó passaram a fazer cada vez mais sentido, tornando-se parte importante na minha vida.

Ajudaram-me tanto a vencer medos como a não desistir de sonhar.

Mais tarde, encontrei nesta frase do economista Peter Drucker, -“Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr.” – a síntese do que julgo a minha avó me quis ensinar, de que a vida é uma grande aventura, plena de riscos, a maioria dos quais não devemos ter medo de correr, pois isso é viver, isso é o que nos ajuda a crescer e o que torna a vida interessante. Devemos abster-nos de arriscar (porque não somos “parvos”) apenas e quando o que estiver em causa for o desrespeito a nós, aos outros e ao mundo.

Talvez devido às palavras da minha avó, a verdade é que à medida que fui crescendo fui aprendendo que a vida realmente só faz sentido quando estamos dispostos a arriscar, que só os ousados, os que saem da sua zona de segurança e vão ao encontro dos seus sonhos, só estes podem dizer que viveram verdadeiramente!

A História está cheia de exemplos de pessoas que ousaram, que não tiveram nem medo de sonhar, nem medo de correr o risco de viverem os seus sonhos.

Estes foram os que chegaram mais além, os que contribuiram para a evolução do mundo e para o progresso da Humanidade: venceram porque arriscaram, cometeram erros, falharam, sofreram e encontraram na dor a coragem de que precisavam para não desisitir.

“O que não mata fortalece”!

Recentemente, numa reunião sobre empreendorismo, ouvi um orador fazer uma interessante analogia entre a vida e a música. Dizia ele que a vida tal como a música é harmoniosa porque tem ritmo, tem melodia, tem altos e baixos... “Já imaginaram uma pauta sem altos e baixos? Agora imaginem a vida da mesma forma, uma linha reta... Que som ouviriam? Eu só me lembro de um: uma linha reta e um piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii... é o som que se ouve nas máquinas dos hospitais quando alguém morre!”

 

Cristina Vieira (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 06:00  Comentar

Praia | Cabo Verde

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Junho 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Muito obrigada por ter respondido ao meu comentári...
Obrigado Teresa por me ler e muito obrigado por se...
Apesar de compreender o seu ponto de vista, como p...
Muito agradecemos o seu comentário e as suas propo...
Muito linda a canção. Obrigado por compartilhar!
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: